Esportes, Italianidade

Carta de repúdio – El Clarín

Carcamanos, palestrinos e palmeirenses
FASCISTAS NUNCA!

Devido à ligação histórica que a Sociedade Esportiva Palmeiras nutre com os peninsulares desde a sua iluminada fundação em 26 de agosto de 1914, a instituição e toda a sua coletividade paga um preço grande, muito além das esferas esportivas. De um certo modo, há uma campanha há décadas relacionando o ideário fascista com o clube palestrino.

Tomamos a liberdade de usar um parágrafo da obra da autora Viviane Teresinha dos Santos, “Os Seguidores do Duce: os Italianos Fascistas no Estado de São Paulo”, para contextualizar esse estado de espírito contra os alviverdes de todos os tempos.

Nele, aponta como o regime de Mussolini agia na cooptação de adeptos para o seu pensamento e doutrina: “Nos anos 30, a política fascista italiana forçou muitos italianos a aderir aos camisas-pretas, prejudicando aqueles que se negavam a colaborar. Nos anos 40, os prejuízos recaíram sobre os italianos que haviam cedido às pressões do fascismo, pois passaram a ser identificados pelo governo brasileiro como inimigos militares. Sem dúvida alguma, foram tempos difíceis para os italianos no Brasil, ora vítimas do regime fascista italiano, ora do regime autoritário brasileiro.”.

Desde então, o ambiente em torno dos ítalo-brasileiros, e no caso específico dos palestrinos, começou a ser de muita apreensão, precaução e cautela, com os rumos intolerantes que a política mundial caminhava.

Contudo, o início da década de 40 ficou marcado pelos conflitos promovidos pelos regimes totalitários, que visavam sobretudo as conquistas territoriais, desencadeando a Segunda Guerra Mundial. Essa tensão influenciou a vida de todos os povos ao redor do mundo e também do Palestra Itália. No Brasil, o presidente da República, Getúlio Vargas, introduzira o Estado Novo, que consistia num modelo de governo que ficou conhecido como “fascismo tropical”.

Dentre tantas questões polêmicas do governo Vargas, uma em específico chama a atenção: a anulação da identidade italiana dos imigrantes e descendentes de italianos em território brasileiro. Vale lembrar que, durante os anos em que o Brasil esteve em guerra com a Itália, todos os italianos e suas instituições que se achavam em território brasileiro passaram a ser vistos como inimigos em potencial e identificados como “súditos do Eixo”, fossem adeptos ou não da ideologia fascista.

O Palestra Itália, como instituição brasileira, mas com fortes e inquebrantáveis raízes italianas, passou a sofrer inúmeras injúrias impostas por setores da imprensa, da política e do esporte, tendo sua vida sido colocada sob investigação, bem como as de seus diretores e associados.

Hoje, dia 9 de outubro de 2018, fomos surpreendidos ao lermos no jornal argentino El Clarin uma matéria assinada pela jornalista Eleonora Gosman, cujo título diz: “Elecciones en Brasil. La disputa política llegaal fútbol: la hinchada del Palmeiras se declara bolsonarista”. E vai além no subtítulo: “La instituciòn, con una dura história vinculada al fascismo italiano, abandera ahora la campaña de Bolsonaro.”.

Não comentaremos nada sobre a matéria. O título e seu subtítulo já nos causa naúseas profundas e por si só apontam completa e total ignorância sobre a Sociedade Esportiva Palmeiras e os palmeirenses.

Nós, como LIGA VERDE, grupo que congrega e reúne formadores de opiniões sobre a vida da SOCIEDADE ESPORTIVA PALMEIRAS, repudiamos com veemência o veículo de imprensa El Clarin e a sua jornalista Eleonora Gosman, pela veiculação de inverdades que visam depreciar a imagem da nossa querida instituição, formada por milhões de torcedores espalhados pelo mundo, com os mais diversos tons de pele, gêneros, credos e opiniões, algo intolerável num regime fascista.

Somos uma entidade laica, desde o nosso berço. Construímos o nosso patrimônio com nosso sangue, alma, suor e trabalho. Sem associações governamentais de qualquer matiz ou corrente política.

Talvez, a jornalista Eleonora Gosman deva ter confundido a história do querido Palmeiras com alguns outros clubes brasileiros.

Talvez, a jornalista Eleonora Gosman deva ser torcedora do Boca Juniors e age sem escrúpulos às vésperas de uma decisão, que há 17 anos atrás envolveu os mesmos clubes, e todos sabemos bem da forma como Ubaldo Aquino conduziu os destinos daquela porfía, orientado certamente por forças ocultas.

Talvez, a jornalista Eleonora Gosman tenha esquecido ou omitido que foi o seu país berço de uma das mais terríveis e sangrentas ditaduras e que graças a sua influência conquistou a Copa do Mundo em 1978.

Mas o que de fato a jornalista Eleonora Gosman não sabe com toda a certeza e aqui esclarecemos é que o nosso querido Palmeiras, desde 1942, época da eclosão da Segunda Grande Guerra, sabe lidar com todas as pressões externas e internas por ele sofridas.

Aqui no Brasil já temos gente desqualificada demais e que trabalha há décadas para nos extinguir. Não é de hoje que os canalhas sonham com isso. O El Clarin e a jornalista Eleonora Gosman não serão os primeiros e nem os únicos. Pelo contrário.

À todos, lembramos que tudo isso só nos fortalece e nos dá ainda mais orgulho de sermos o que somos, do pavilhão esmeraldino que defendemos e amamos, dos valores que cultivamos, das nossas raízes operárias, populares e italianas, e da brasilidade que representamos, por sermos uma coletividade plural e fraterna.

Morremos líderes, Nascemos Campeões! Somos imortais! Somos Palmeiras!

torcida
Carcamanos, palestrinos e palmeirenses

FASCISTAS NUNCA!

FORZA VERDÃO!!!

Anúncios
Padrão