Esportes, Italianidade

Rumo a Copa

Se com  a bola nos pés a Itália frustrou os seus torcedores e não conseguiu alcançar o objetivo de participar da Copa do Mundo da Rússia, os peninsulares ainda possuem uma chance de disputar um Mundial em outra tradicional modalidade do país: o basquete.

A seleção italiana comandada pelo técnico Romeo Sacchetti, que substituiu Ettore Messina, entra em quadra no próximo dia 23 de fevereiro (sexta-feira), em Treviso, contra a Holanda e no dia 26 de fevereiro (segunda-feira) diante da Romênia, na cidade de Cluj-Napoca, na Romênia, pela fase de qualificação européia para a Copa do Mundo de Basquete na China em 2019.

Para essas duas partidas, Sacchetti convocou 16 atletas, são eles: Abass (Ala-Pivô do Milano), Aradori (Ala do Virtus Bologna), Biligha (Pivô do Venezia), Burns (Ala-Pivô do Cantù), Crosariol (Pivô do Cantù), Della Valle (Armador do Reggio Emilia), Filloy (Armador do Avellino), Flaccadori (Ala-Armador do Trento), Fontecchio (Ala-Pivô do Cremona), Gaspardo (Ala-Pivô do Pistoia), Gentile (Ala do Virtus Bologna), Pascolo (Ala-Pivô do Milano), Polonara (Ala-Pivô do Sassari), Brian Sacchetti (Ala Pivô do Brescia), Luca Vitali (Armador do Brescia), Michele Vitali (Armador do Brescia).

A Azzurra não poderá contar com Marco Belinelli (Ala do Atlanta Hawks) e Danilo Gallinari (Ala-Pivô do Los Angeles Clippers), que disputam a temporada regular da liga de basquete norte-americana NBA.

Nas eliminatórias, a Itália lidera o Grupo D, com duas vitórias em dois jogos disputados, diante da Croácia (80×64) e da Romênia (75×70). Participam 32 seleções dessa fase européia. As 12 melhores classificadas avançam diretamente para o Mundial.

Os destaques individuais ficam por conta do armador Della Valle, cestinha da equipe na competição com 20.5 pontos por jogo, do pivô Gentile com 5.5 rebotes por jogo e do armador Filloy com 4 assistências por jogo.

História

As duas melhores posições da Itália nos mundiais de basquete adulto masculino foram nos anos 70, quando alcançou a fase semifinal do torneio em 1970 (na antiga Iugoslávia) e 1978 (nas Filipinas), terminando em quarto lugar em ambas ocasiões.

Em 17 edições, foram oito participações italianas na competição. A primeira vez foi  em 1963, quando o torneio foi sediado no Brasil. A última vez que a Itália esteve no torneio foi em 2006, no Japão. Nos últimos dois mundiais, a Itália não obteve classificação (2010 na Turquia e 2014 na Espanha).

O ala-armador Antonello Riva, com 18 partidas disputadas pela Azzurra no torneio, anotou 434 pontos e está entre os 10 jogadores com melhor média e número de pontos marcados na história dos mundiais. Riva é o maior cestinha de todos os tempos da Liga Italiana de Basquete e atuou como atleta de 1977 a 2005.

della valle

O jovem armador Della Valle, uma esperança de renovação do basquete italiano

FORZA AZZURRI!!!

 

 

Anúncios
Padrão
Esportes

Centenário – 100 Atos (Parte 2)

Apenas  um grupo seleto de 17 atletas anotaram cem ou mais gols na história do Palmeiras. Foram eles: Heitor Marcelino Domingues (anos 10/20), Cesar Lemos (anos 60/70), Ademir da Guia (anos 60/70), Eduardo Lima (anos 40/50), Servilio (anos 60), Evair (anos 90), Humberto Tozzi (anos 50/60), Rodrigues (anos 50), Luizinho Mesquita (anos 30/40), Tupãzinho (anos 60), Echevarrieta (anos 40), Romeu Pelliciari (anos 30), Liminha (anos 50), Leivinha (anos 70), Ministro (anos 10/20), Caetano Imparato (anos 10/20) e Jorge Mendonça (anos 70/80).

Do atual elenco palmeirense, o meia Valdivia é o atleta que possui o maior número de gols marcados com 39 anotados.

heitor166

Heitor Marcelino Domingues, craque e artilheiro insuperável na história palestrina

BASQUETE ALVIVERDE

No sábado (1), a equipe de basquete adulto do Palmeiras foi superada pelo Macaé pelo placar de 101 a 93, pela 20º rodada do Novo Basquete Brasil, fora de casa.

Maxi Stanic (14), Neto (17), Fabrício (15), Tyrone (6), Tiagão (16), Átila dos Santos (3), Wiggins (9), Rodrigo (4), Guto (3), Thyago Aleo (3), Igor (3). Técnico: Betão. Essa foi a equipe que atuou e pontuou na partida.

O Verdão amarga uma sequência negativa de três derrotas seguidas na competição e necessita de uma recuperação nas partidas que terá em seu ginásio, no Palestra Itália, na quinta-feira (6), às 20h, contra o Basquete Cearense e no sábado (8), às 18h, contra o Mogi das Cruzes, para se manter na zona de classificação para os playoffs.

Um fator que chama a atenção é o elevado número de pontos que a equipe alviverde concedeu ao seu adversário. O Verdão não sofria 100 ou mais pontos desde 19 de outubro de 2013, quando perdeu para o Pinheiros pelo placar de 100 a 86, pelo Campeonato Paulista.

Melhorar o sistema defensivo é uma das chaves para que a equipe retome o caminho das vitórias.

WIZARDS DESTRONA DURANT

Na noite de sábado (1), o Washington Wizards venceu em seus domínios o poderoso Oklahoma City Thunders pelo placar de 96 a 81 e alcançou a marca de 50% de aproveitamento na Liga, com 23 vitórias e 23 derrotas.

John Wall anotou 17 pontos e 15 assistências, conduzindo o Wizards a vitória contra o melhor time da NBA e derrubando uma sequência de 10 vitórias do adversário. No setor defensivo, Trevor Ariza anulou o astro Kevin Durant e ainda contribuiu com 18 pontos.

Vamos ver qual Wizards teremos daqui para frente. Aquele que é capaz de vencer o melhor time da NBA, ou aquele que consegue ser derrotado pelo Utah Jazz, um dos piores da temporada. É ver para crer como se conduzirá essa bipolaridade do time. Mas até aqui, a campanha empolga e promete um futuro para lá de promissor!

FIM DO TABU EM CLÁSSICOS

A tarde de domingo (2), no estádio do Pacaembu, foi de festa palestrina! O Verdão bateu o São Paulo pelo placar de 2 a 0, gols marcados por Valdivia, de cabeça, e Alan Kardec em cobrança de pênalti. Além de se manter com 100% de aproveitamento no Paulistão e a liderança do seu grupo, o Palmeiras encerrou um incomôdo tabu sem vitórias em clássicos.

Desde 5 de fevereiro de 2012, quando o alviverde venceu o Santos pelo Paulistão pelo placar de 2 a 1, o time de Palestra Itália não vencia um clássico! De lá para cá, foram 12 partidas contra São Paulo, Corinthians e Santos, registrando 6 empates 6 derrotas. O Verdão também não vencia o Tricolor Paulista desde 27 de novembro de 2011, quando venceu por 1 a 0 pelo Campeonato Brasileiro, no mesmo estádio do Pacaembu.

Vitória com o coração! Destaques para o zagueiro Lúcio, para o meia Valdívia e para a torcida do Palmeiras! VIVA O PALESTRA!

torcida-palmeiras

Torcida do Palmeiras, o maior patrimônio alviverde!

Padrão