Esportes

Juve x Lusa

O clássico paulistano entre Juventus e Portuguesa de Desportos acontece na manhã de domingo (18), às 10h, no estádio Oswaldo Teixeira Duarte, no Canindé, pela décima terceira rodada do Campeonato Paulista da Série A-2.

O jogo é decisivo para ambos na luta contra o rebaixamento para a Série A-3. A Lusa é a décima segunda colocada com 11 pontos ganhos. O Juventus está em décimo terceiro com nove pontos conquistados, e só não ocupa a zona de descenso, devido aos critérios de desempate, pois tem uma vitória a mais que Batatais e Audax.

O confronto acontece pela quarta vez na história do Paulistão da Série A-2. A primeira delas ocorreu em 2013, no mesmo estádio do Canindé, quando a Lusa venceu o Moleque Travesso por 2 a 1. Em 2016, o Juventus venceu por 1 a 0 os lusitanos, em novo encontro realizado na casa rubro-verde. No ano passado, jogando na rua Javari, o Moleque Travesso obteve mais um triunfo ao vencer o seu rival por 3 a 1.

Em toda a história dos estaduais, juventinos e lusos jogaram 23 partidas no estádio Oswaldo Teixeira Duarte, com amplo domínio dos donos da casa. A lusa venceu 18 vezes, com três empates e apenas duas vitórias grenás.

Esses dois únicos triunfos juventinos aconteceram nos dias 23 de julho de 1958 e 3 de fevereiro de 2016. Confira as fichas técnicas dos jogos:

23/7/1958 Juventus 3×2 Portuguesa – Campeonato Paulista A-1
Juventus: Nenê (G), Donald, Cotia, Cássio, Clóvis, Pando, Buzzone, Zeola, Viana, Parobé, Lanza. Técnico: Libero Golinelli
Portuguesa: Carlos Alberto, Djalma Santos, Ditão, Jutis, Bauer, Odorico, Hermínio, Ipojucan, Alfeu, Ocimar e De Carlo. Técnico: Flávio Costa.
Gols: Buzzone, Zeola (2) (JUV); Herminio, Alfeu (POR)

3/2/2016 Juventus 1×0 Portuguesa – Campeonato Paulista A-2
Juventus: André Dias (G), Rafael Ferro, André Astorga, Diego Borges, Paulo Vitor (Renan Oliveira), Felipe Nunes, Derli, Adriano Paulista, Adiel (Elder Granja), Nathan, Léo Souza (Diogo Oliveira). Técnico: Rodrigo Santana
Portuguesa: Douglas; Digão, Talis, Ferdinando e Luan Peres; Renan Teixeira, Boquita (Diego Gonçalves), Moacir (Dionatan) e Matteus (Guilherme Schettine); Dominic e Milton Júnior. Técnico: Estevam Soares.
Gol: Adriano Paulista

Entre as partidas marcantes na história do confronto no estádio luso, destaque para o primeiro jogo em competição oficial da Portuguesa de Desportos como proprietária do Canindé. A partida aconteceu em 9 de dezembro de 1956. A Lusa venceu o Juventus pelo placar de 2 a 0, pelo Campeonato Paulista.

Eis a ficha do jogo:

Juventus 0x2 Portuguesa – Campeonato Paulista A-1
Juventus: Villera (G), Ditão, Diogenes, Ademar, Riogo, Bonfiglio, Zeola, Dorval, Orlando, Tito, Rodrigues. Técnico: Alfredo Gonzalez
Portuguesa: Cabeção, Hermínio, Floriano, Reinaldo, Julião, Zinho, Amaral, Ipojucan,Liminha, Edmur e Nelsinho. Técnico: Maurício Cardoso.
Gols: Liminha e Nelsinho (POR)

Uma das partidas inesquecíveis para a torcida juventina ocorrida no Canindé contra a Lusa foi no dia 18 de fevereiro de 1973. O time rubro-verde ostentava uma invencibilidade de 15 jogos e mais de um ano em seu estádio. A última derrota havia sido contra o Benfica-POR, por  3 a 1 no dia 9 de janeiro de 1972.

Perante cerca de cinco mil pessoas, o Moleque Travesso foi convidado pelos lusos para um amistoso de preparação nas vésperas da estreia do Campeonato Paulista. Num clima nada “amistoso”, Milton Buzzetto armou a sua tradicional retranca e brecou o poderoso ataque lusitano.

Aos cinco minutos do segundo tempo, após um bate-rebate na área da Lusa, a bola sobrou para o lateral-direito juventino Chiquinho, que quase na marca do pênalti, fuzilou para as redes de Miguel, marcando o gol da vitória juventina e a quebra da invencibilidade. Dez minutos depois, Dicá e Chiquinho foram expulsos de campo, pelo árbitro Almir Ricci Peixoto Laguna, após desentendimento.

Confira a ficha dessa partida:

Juventus 1×0 Portuguesa – Amistoso
Juventus: Bernardino (G), Chiquinho, Paulo, Oscar, Deodoro, Maurinho, Brida, Luis Antonio (Tadeu), Adinan, Vanderley (Tanese), Ziza. Tecnico: Milton Buzzetto
Portuguesa: Miguel (G), Cardoso,Calegari, Isidoro, Santos (Raimundo), Badeco, Dicá, Xaxá, Tatá (Maurício), Basílio e Da Costa. Técnico: Cilinho
Gol: Chiquinho (JUV)

Confrontos no Canindé em Paulistas da Série A-1 e A-2:

Jogos: 23
Vitórias Juventus: 02
Empates: 03
Vitórias Lusa: 18

Confrontos Gerais em Paulistas da Série A-1 e A-2:

Jogos: 122
Vitórias Juventus: 27
Empates: 30
Vitórias Lusa: 65

Torcidas

Com a implementação de torcida única nos clássicos  pelo Ministério Público do Estado de São Paulo e a Secretaria de Segurança Pública a partir de abril de 2016, após confronto entre integrantes das torcidas Mancha Alvi Verde, do Palmeiras, e Gaviões da Fiel, do Corinthians, que deixou dezenas de feridos e um morto, Juventus e Portuguesa é um dos poucos clássicos da cidade que ainda admitem torcida “mista”.

Juventus contra Nacional também ainda não há restrição pelas autoridades, assim como os confrontos que lusos e juventinos travam contra o trio de ferro da capital paulista (Palmeiras, Corinthians e São Paulo) e o Santos.

Herói luso e grená

O atual técnico do Juventus Alex Alves, quando atuava como atacante, foi o grande herói da Portuguesa de Desportos em 2006 quando livrou o time do rebaixamento para a Série C do Brasileiro, ao marcar de pênalti nos minutos finais, o gol que garantiu a vitória da Lusa, por 3 a 2, sobre o Sport Recife na Ilha do Retiro e evitou a queda rubro-verde, naquela ocasião.

Como atleta da Lusa, fez 61 jogos e marcou 32 gols. Em 2015, assumiu como técnico da equipe sub-17 da Portuguesa.

No Juventus, Alex Alves iniciou a sua carreira de jogador profissional em 1996 e a encerrou em 2010 na Mooca. Ele se tornou o primeiro artilheiro da história do clube no Campeonato Paulista da Série A-1, em 2002, ao anotar 17 gols no torneio. No total o atacante fez 103 jogos e 52 gols com a camisa grená.

Defendendo o Juventus como atleta e agora como treinador profissional, essa será a primeira vez que Alex Alves enfrenta a Portuguesa de Desportos.

alex alves

Alex Alves, técnico do Juventus, fez história nos dois clubes

Anúncios
Padrão
Esportes

Forza Juve

O Juventus vive uma crise profunda dentro e fora de campo. Nos bastidores, o presidente Domingos Sanches é acusado de tentar burlar acordos contratuais com o objetivo de mascarar prejuízos ao órgão de fiscalização regido pelo Conselho Deliberativo, segundo matéria publicada pelo portal Gazeta Esportiva, no dia 7 de fevereiro. O mandatário pode sofrer um inédito impeachment na história do clube grená, por conta desse ato.

No futebol, o ambiente turbulento da política grená se reflete no desempenho risível que o time apresenta no Campeonato Paulista da Série A-2. Até o momento, o Moleque Travesso perdeu todos os seis jogos que disputou em campo (sendo quatro deles na Rua Javari), possui três pontos ganhos devido a um W.O. a seu favor contra o Rio Claro e ocupa a zona de rebaixamento do torneio.

A última vez que o clube sofreu quatro derrotas seguidas na Rua Javari foi entre setembro de 2012 e janeiro de 2013. Na ocasião, o time da Mooca perdeu para Palmeiras B e Grêmio Audax (Copa Paulista 2012), São Caetano (Amistoso) e Noroeste (Paulista A-2 2013).

Foi também nesse período que o Juventus obteve seis derrotas seguidas, igualando a marca negativa atual. Quatro pela Copa Paulista de 2012 (Palmeiras-B, São Bernardo, Grêmio Audax e Atlético Sorocaba), uma em jogo amistoso (São Caetano) e uma pelo Campeonato Paulista da Série A-2 (Noroeste).

Se analisarmos apenas o desempenho no Campeonato Paulista da Série A-2, as últimas duas vezes que o Juventus teve uma sequência superior ou igual a cinco derrotas consecutivas, o clube não conseguiu evitar o rebaixamento para a Série A-3.

Em 2009, foram cinco derrotas seguidas na competição (São Bento de Sorocaba, Rio Branco de Americana, Flamengo de Guarulhos, Rio Claro e São Bernardo). O Moleque Travesso acabou na décima sétima colocação e foi relegado para a Série A-3.

Em 2013, foram seis derrotas consecutivas (Portuguesa, Grêmio Osasco, Capivariano, Audax, Catanduvense e São Carlos). A equipe grená terminou na vigésima colocação e pela segunda vez nesse novo século teve que disputar a terceira divisão.

O momento atual é delicadíssimo. O time não apresenta poder de reação com a bola nos pés e seus mandatários se vêem envolvidos num dos maiores escândalos da vida juventina. A iminência de mais um rebaixamento para o penúltimo escalão do futebol paulista é cada vez mais tangível.

No século XXI, o Moleque Travesso esteve na elite da divisão estadual em apenas seis ocasiões. A cada ano o clube se afunda ainda mais nas divisões inferiores. Já se passaram uma década de sua última participação entre os principais clubes do Estado.

Venda da Javari, times obscuros, gestões turbulentas, política efervescente, falta de renovação dos quadros dirigentes, má influência de empresários, fim do departamento de futebol profissional são assuntos recorrentes e que só empobrecem a cada dia a reputação e tradição histórica que os juventinos levaram décadas para construir com muito suor e trabalho.

Aos que amam a camisa avinhada, passou da hora de exigir o respeito e o tratamento devido que esse grande clube merece. A Mooca precisa se levantar e acordar desse sono profundo que tomou conta do nosso querido Clube Atlético Juventus.

É inaceitável vê-lo definhar a passos largos de braços cruzados. Não somos apenas um clube de canolli e de pão com mortadela. Nascemos e nos fizemos grandes pelas proezas e feitos no futebol. O jogo de bola é que possibilitou aos juventinos possuir e edificar um dos maiores clubes sociais da América Latina. Foram 11 camisas avinhadas e alguns abnegados que projetaram tudo aquilo que ainda nos resta e orgulhamos.

Basta de tanto desamor para com uma das nossas maiores paixões! Há inúmeros juventinos de bem, que hoje estão tristes e envergonhados pelo ponto em que chegamos.

Há tempo de reagir e dar a volta por cima! A história da comunidade italiana (predominantemente) que construiu o bairro da Mooca e sangrou nas suas indústrias é de luta! Ela não medirá esforços para reconduzir um de seus filhos mais pródigos para um caminho mais abençoado e glorioso.

juveFORZA JUVE!!!

Padrão
Esportes

Resgate da tradição

Alex Alves foi anunciado essa semana como o novo treinador do time de futebol profissional do Clube Atlético Juventus para a sequência do Campeonato Paulista da Série A-2, em substituição a Edmilson de Jesus, e faz a sua estreia no domingo (4), diante do Sertãozinho, às 10h, no estádio Conde Rodolfo Crespi, pela quinta rodada da competição.

O ex-atacante do Moleque Travesso nos anos 2000 resgata uma velha tradição no time da Mooca. Ao longo do tempo, foram inúmeros atletas que jogaram pelo clube avinhado e que também tiveram a oportunidade de se tornar o comandante grená. O primeiro caso aconteceu nos anos 30, com o meia Nico.

De lá para cá, nomes importantes também marcaram a história nas duas funções. Clóvis Nori, o Professor, e Milton Buzzetto mostraram todo o seu talento fora de campo, assim como fizeram com brilhantismo envergando a camisa juventina.

Buzzetto sagrou-se campeão do Torneio de Classificação do Campeonato Paulista em 1971.

Roberto Brida, que formou a famosa dupla de meio campo com seu irmão Brecha, também provou seu valor no comando técnico do Moleque Travesso.

O volante Márcio Bittencourt teve uma curta passagem como atleta nos anos 90, mas como treinador se eternizou no coração da torcida juventina. O título da Copa Paulista de Futebol de 2007 foi o último grito de campeão do futebol juventino, levando o time a uma inédita participação na Copa do Brasil. Bittencourt foi o comandante desse feito inesquecível.

O ponta-esquerda Esquerdinha, em 2010, foi o último ex-atleta juventino que treinou o elenco principal do Moleque Travesso.

Confira os ex-jogadores que atuaram como técnico da equipe profissional:

Anos 30: Nico

Anos 40: Raul

Anos 50: Milani, Paulo, Manduco e Diogo

Anos 60: Pinga, Clovis Nori

Anos 70: Milton Buzzetto, Roberto Brida e Clovis Nori

Anos 80: Milton Buzzetto e Deodoro

Anos 90: Oscar Amaro, Vanderlei Luis, Roberto Brida, José Carlos Serrão, José Luis Carbone e Ecio Pasca

Anos 2000: Roberto Brida, Sergio Soares, Márcio Bittencourt, José Carlos Serrão, Betinho, Esquerdinha e Alex Alves

*** Em caso de reprodução dos dados acima, é obrigatório dar os créditos das informações ao autor Fernando Razzo Galuppo e seu respectivo blog pessoal ***

juve

FORZA JUVE!!!

Padrão
Esportes

Reação Grená

O início da temporada juventina não é nada animadora. O sinal de alerta já está aceso na Mooca. Em quatro jogos até aqui, foram três derrotas e um W.O. a favor. Ou seja, dentro do campo os juventinos ainda não sabem o que é vencer e já ocupam as últimas colocações do campeonato.

Esse desempenho pífio fez com que o técnico Edmilson de Jesus fosse demitido sem obter nenhuma vitória pelo Moleque Travesso.

Notícias extra-oficiais dão conta que o ex-atacante juventino Alex Alves assuma o comando da equipe nos próximos dias. Dirigindo o Nacional da Capital no ano passado, ele foi um dos responsáveis pela montagem da equipe nacionalina que conquistou o título do Campeonato Paulista da Série A-3 e o acesso para a divisão superior em 2017

Fator Javari

A rua Javari sempre foi um trunfo importante para o time da Mooca. Antes do início do Campeonato Paulista da Série A-2,  o Juventus mantinha 16 partidas invictas pela competição estadual atuando em seus domínios. Até então, essa era a sua segunda melhor marca em casa pelo torneio em toda a história do clube.

Nessa temporada, o alçapão se tornou um parque de diversões para os adversários. Em dois jogos como mandante, os juventinos foram facilmente batidos pelos seus rivais (Xv de Piracicaba e Grêmio Osasco) e não conseguiram se impor em casa.

A única vez que o Juventus perdeu três partidas seguidas em jogos do Campeonato Paulista da Série A-2 na rua Javari foi em 1999 (contra Paulista de Jundiaí, São Caetano e Ponte Preta).

Alta média de idade

O time que atuou na derrota diante do Grêmio Osasco no último final de semana aponta uma média de idade de 27,92 anos.

Dos quatorze atletas utilizados, onze titulares e três substituições, cinco jogadores apresentam mais de 30 anos. Vejamos: André Dias 28, Léo Cunha 22, Robson 24, Herbert 35, Sérgio Raphael 25, Felipe Saturnino 22, Nata 32, Rosinei 34, Wendel 36, Janderson 24, Baroni 28, Rafael Franco 24, Weldon 37, Deivide 20.

O Moleque Travesso é um dos times com maior média de idade na competição.

Desgaste excessivo

Dos oito mandos de campo que possui no Paulista A-2, o Juventus jogará seis vezes às 10h e apenas duas vezes após às 15h, de acordo com a tabela oficial divulgada pela Federação Paulista de Futebol, até essa data.

Duas partidas já se realizaram nesse horário matutino. Ambos com derrotas juventinas pelo placar de 1 a 0.

Dos sete jogos como visitante, o Juventus jogará apenas uma vez no período da manhã, diante da Portuguesa de Desportos, no Canindé. Os demais confrontos serão na parte da tarde ou a noite.

O Juventus é o clube que jogará o maior número de jogos nesse horário das 10h, entre todos os participantes do Paulista A-2 em 2018.

Ou seja, metade da competição atuará sob o sol escaldante, sendo uma das equipes com maior média de idade do torneio, e por consequência sofrendo um desgaste físico superior em relação aos seus adversários.

Isso sem contar as viagens: Votuporanga (530 km), Batatais (362 km) e Penápolis (480 km), Taubaté (150km). Teria ainda a viagem para Rio Claro, mas essa foi cancelada devido a não realização da partida.

Em 2015, a Confederação Brasileira de Futebol, com médicos e dirigentes da entidade, decidiu que o horário não é apropriado para a prática do jogo, mesmo com parada técnica nos dois tempos para hidratação, abortando a realização dos jogos da Série A do Brasileiro no período matutino.

Reforços

Uma das tantas críticas da torcida grená tem sido a não utilização dos garotos da base do clube. No último domingo, os nomes de Dener e Cesinha, por exemplo, foram pedidos pelos torcedores, que nem ao menos estavam entre os relacionados para o jogo.

Outro ponto que se discute também é a possível negociação por empréstimo de alguns jovens atletas que não serão utilizados pelos grandes paulista (Palmeiras, São Paulo, Santos e Corinthians), que disputaram a Copa São Paulo de Juniores e por ventura não seriam utilizados por essas equipes no estadual, tendo espaço no time da Mooca.

Com as regras de inscrição de atletas mais rígidas para essa temporada, o novo comandante grená terá sérias dificuldades de fazer ingressar reforços de relativa qualidade para o atual elenco, sendo esse um dos principais desafios para quem for assumir o cargo.

Torcida Juventina

Nos últimos anos, o Juventus é o time da capital paulista que leva o maior número de torcedores ao estádio quando atua como mandante, sem contar o trio de ferro formado por Palmeiras, São Paulo e Corinthians.

Seguindo a tendência das temporadas anteriores, o Moleque Travesso já desponta como a melhor média de público em relação aos times da capital, que também disputam o Paulista da Série A-2. Confira os números:

Estádio Conde Rodolfo Crespi
Juventus x Xv de Piracicaba – 2.536 pagantes
Juventus x Osasco/Audax – 1.748 pagantes
Média: 2.142 pagantes por jogo

Estádio Comendador Souza
Nacional x São Bernardo – 386 pagantes
Nacional x Votuporanguense – 300 pagantes
Média: 343 pagantes por jogo

Estádio Oswaldo Teixeira Duarte
Portuguesa x Batatais – 966 pagantes
Portuguesa x Xv de Piracicaba – 1.069 pagantes
Média: 1.017 pagantes por jogo

juve

FORZA JUVE!!!

Padrão
Esportes

Javari de volta

Na manhã de domingo (21), as emoções do futebol estarão de volta a nossa velha e querida Mooca. O Juventus recebe o Xv de Piracicaba, às 10h, no mitíco e lendário estádio Conde Rodolfo Crespi, na rua Javari, pela segunda rodada do Campeonato Paulista da Série A-2.

O Moleque Travesso estreou na competição com derrota fora de casa no meio de semana para a Votuporanguense pelo placar de 3 a 2 e diante de sua fanática e apaixonada torcida vai em busca da reabilitação.

Juventus x Xv Piracicaba

Duas das mais tradicionais equipes do futebol paulista, Juventus e Xv Piracicaba se enfrentaram apenas cinco vezes pelo Campeonato Paulista da Série A-2 ao longo da história. O Moleque Travesso ostenta um tabu de nunca ter perdido para o seu adversário na competição, com três vitórias e dois empates.

No último encontro realizado no ano passado em Piracicaba, as equipes ficaram no empate sem abertura no placar.

André Dias recordista

O site oficial do Juventus anunciou que na partida diante do Xv de Piracicaba, o goleiro André Dias completará 100 jogos com a camisa juventina. Consultamos a assessoria de imprensa do clube que nos informou que tais números foram fornecidos pelo próprio atleta.

Entretanto, de acordo com as súmulas oficiais da FPF, esse será o jogo de número 99 do jogador com a camisa juventina (contando partidas amistosas, jogos do Campeonato Paulista e Copa Paulista).

O jogador estreou pelo time da Mooca em 2 de fevereiro de 2014, na vitória por 1 a 0  contra a Matonense, pelo Campeonato Paulista da Série A-3, em Matão.

Um dos momentos mais marcantes de sua carreira para o torcedor juventino foi no ano de 2015, quando evitou cinco penalidades consecutivas (três defesas e duas bolas fora) e se consagrou como ídolo grená.

Atualmente, é o atleta do atual elenco profissional juventino com maior tempo de casa e jogos disputados. Confira os números de André Dias, ano a ano, pelo Juventus:

2014 – 25 jogos disputados
2015 – 32 jogos disputados
2016 – 26 jogos disputados
2017 – 14 jogos disputados
2018 – 1 jogo disputado
Total – 98 jogos

Juventus na Série A-2

Em 2018 é a décima terceira vez que o Juventus disputa o Campeonato Paulista da Divisão de Acesso (hoje denominado Série A-2). A primeira participação do Moleque Travesso aconteceu em 1928 e de lá para cá, a equipe avinhada foi campeã em 1929 e 2005 e vice-campeã em 1994.

Na edição de 1994 o atacante juventino Cuca terminou como o artilheiro do torneio, sendo a única vez que um jogador do time da Mooca conquistou tal feito na disputa.

A fanática torcida grená sonha com o acesso à elite do Estadual, onde o Juventus está afastado desde 2008, amargando seu maior calvário sem participações na série principal do futebol paulista de toda a sua gloriosa história.

Números Gerais do Juventus no Paulista A-2

Jogos: 266
Vitórias: 117
Empates: 62
Derrotas: 87
Gols Pró: 420
Gols Contra: 354

Maior goleada a favor: 30/4/2005 Juventus 8×1 Matonense
Maior goleada sofrida: 31/3/2013 Juventus 0x7 Comercial de Ribeirão Preto

*** Em caso de reprodução dos dados acima, é obrigatório dar os créditos das informações ao autor Fernando Razzo Galuppo e seu respectivo blog pessoal ***

juve

Padrão
Esportes

Moleque Travesso 2018

Na manhã de segunda-feira (18), o Clube Atlético Juventus realizou no salão nobre de sua sede social no bairro da Mooca a apresentação do elenco profissional de futebol que irá disputar a Série A-2 do Campeonato Paulista em 2018 para a imprensa, torcida e dirigentes. Na ocasião, o novo uniforme do clube também foi exibido aos presentes.

Elenco

Sob o comando do técnico Edmilson de Jesus, a meta juventina é lutar por uma vaga na elite do estadual em 2019. Há uma década o Moleque Travesso frequenta as divisões inferiores do futebol paulista, fato que angustia a sua fanática e apaixonada torcida.

Para cumprir esse objetivo e marcar seu nome na história grená, os juventinos contarão com os seguintes jogadores a disposição:

Goleiros: André Dias (retornou do Oeste onde disputou a Série B do Brasileiro), Omena e Rafael (ambos da categoria de base também permanecem).

Laterais: Léo Cunha (ex-Palmeiras), Rafael Borel (ex-Rio Branco de Americana) e Guilherme Cururu (ex-Mantiqueira).

Zagueiros Felipe Saturnino (ex-Rio Claro), Hebert (ex-Rio Verde de Goiás) e Robson Júnior (ex-Taubaté).

Volantes: Thiago Bonfim (ex-Imperatriz do Maranhão) e Wendel (ex Palmeiras).

Meias: Natã (ex-Asa Arapiraca), Rosinei (ex-Corinthians), Baroni e Cesinha (estes que estavam no elenco em 2017 e permanecem).

Atacantes: Jean Carlos (ex-Barra de Santa Catarina) e Weldon (ex-Cruzeiro e Ponte Preta).

Esses são os reforços do Juventus já confirmados até agora para o Paulista da série A-2 de 2018.

Além deles, deverão ser incorporados alguns atletas da base e que se destaquem na Copa São Paulo de Futebol Júnior.

“Ainda poderá chegar alguns nomes. Mas o elenco está praticamente fechado. Temos a ideia de contar com 25 atletas para essa temporada, sendo três goleiros e 22 jogadores de linha. Nossa meta é buscar uma das vagas na elite do estadual”, falou o treinador do Juventus.

O Moleque Travesso fará três jogos-treinos como preparação. No dia 23 de dezembro contra o Atibaia, no dia 29 de dezembro contra o Desportivo Brasil e no dia 6 de janeiro diante do Bragantino.

A estreia no Paulistão A-2 será no dia 17 de janeiro contra o Votuporanguense, no estádio Plínio Marin, em Votuporanga.

Novo manto

O novo fornecedor de material esportivo para o futebol juventino é a empresa Nakal.

Com sede na cidade de São Carlos, ela veste equipes tradicionais como Noroeste de Bauru, América-RJ e Mirassol.

Entre as inovações no novo manto juventino, a camisa de goleiro foi confeccionada na cor azul e leva a bandeira da Itália bordada em uma das mangas, fazendo referência às raízes históricas do clube com a comunidade ítalo-brasileira.

Em todas as camisas (de goleiro e jogadores de linha) há nas costas a seguinte inscrição em língua italiana: “Il primo di Molti, il secondo di Tutti”. Em tradução livre, significa: “O primeiro de muitos, o segundo de todos”.

Nas versões grená e branca, a camisa terá como patrocinador master estampado no peito e nas costas a logomarca da empresa São Cristóvão Saúde.

juve

Padrão
Esportes

Artilheiro na Mooca

Com experiência no futebol paulista, o atacante Jorge Mauá quer fazer história com a camisa do Juventus. O camisa 9 ficou mais conhecido do torcedor juventino quando defendia o Nacional Atlético Clube. Em três clássicos realizados entre as equipes em 2015, o jogador anotou três gols a favor dos nacionalinos.

“Não sabia da importância e dimensão do clássico Juvenal, até jogá-lo. Foram jogos marcantes e que mobilizou muito os torcedores e os clubes. Isso é bem bacana. Aqueles gols foram importantes na minha carreira. Agora, quero marcar muitos gols defendendo o Juventus e dar alegrias a essa torcida”, falou Mauá.

Recentemente, no jogo-treino contra o Nacional, na rua Javari, pelo Juventus, o atacante deixou sua marca na goleada juventina por 4 a 0. “Foi muito bom. Comecei essa temporada fazendo gols e encerrei marcando. Estou muito feliz aqui no Juventus. Fui muito bem recebido e sinto que aqui é uma grande família. Quero colaborar para que possamos fazer um bom campeonato”, avaliou.

Sobre atuar na rua Javari, ele diz estar realizando um sonho. “Sei da força da torcida juventina. Incentiva do começo ao fim. Não vejo a hora de entrar na Javari lotada e sentir o apoio dos nossos torcedores”, concluiu.

Segundo o site da Federação Paulista de Futebol, Jorge Mauá anotou 24 gols por clubes paulistas na temporada 2016, sendo o maior artilheiro paulista do ano passado, somando apenas os gols por clubes do Estado. Foram sete gols no Paulista A-2 atuando pelo Taubaté e 17 gols pela Mauaense, onde foi vice-artilheiro do Campeonato Paulista da Segunda Divisão.

No jogo-treino contra o Audax, vice-campeão Paulista da Série A-1, na tarde de quarta-feira (18), em Sorocaba, Jorge Mauá deixou sua marca, no empate em 2 a 2.
Foto Ale Vianna/Divulgação32391376655_03ca5bee47_k

Padrão