Esportes, Italianidade

Rumo a Copa

Se com  a bola nos pés a Itália frustrou os seus torcedores e não conseguiu alcançar o objetivo de participar da Copa do Mundo da Rússia, os peninsulares ainda possuem uma chance de disputar um Mundial em outra tradicional modalidade do país: o basquete.

A seleção italiana comandada pelo técnico Romeo Sacchetti, que substituiu Ettore Messina, entra em quadra no próximo dia 23 de fevereiro (sexta-feira), em Treviso, contra a Holanda e no dia 26 de fevereiro (segunda-feira) diante da Romênia, na cidade de Cluj-Napoca, na Romênia, pela fase de qualificação européia para a Copa do Mundo de Basquete na China em 2019.

Para essas duas partidas, Sacchetti convocou 16 atletas, são eles: Abass (Ala-Pivô do Milano), Aradori (Ala do Virtus Bologna), Biligha (Pivô do Venezia), Burns (Ala-Pivô do Cantù), Crosariol (Pivô do Cantù), Della Valle (Armador do Reggio Emilia), Filloy (Armador do Avellino), Flaccadori (Ala-Armador do Trento), Fontecchio (Ala-Pivô do Cremona), Gaspardo (Ala-Pivô do Pistoia), Gentile (Ala do Virtus Bologna), Pascolo (Ala-Pivô do Milano), Polonara (Ala-Pivô do Sassari), Brian Sacchetti (Ala Pivô do Brescia), Luca Vitali (Armador do Brescia), Michele Vitali (Armador do Brescia).

A Azzurra não poderá contar com Marco Belinelli (Ala do Atlanta Hawks) e Danilo Gallinari (Ala-Pivô do Los Angeles Clippers), que disputam a temporada regular da liga de basquete norte-americana NBA.

Nas eliminatórias, a Itália lidera o Grupo D, com duas vitórias em dois jogos disputados, diante da Croácia (80×64) e da Romênia (75×70). Participam 32 seleções dessa fase européia. As 12 melhores classificadas avançam diretamente para o Mundial.

Os destaques individuais ficam por conta do armador Della Valle, cestinha da equipe na competição com 20.5 pontos por jogo, do pivô Gentile com 5.5 rebotes por jogo e do armador Filloy com 4 assistências por jogo.

História

As duas melhores posições da Itália nos mundiais de basquete adulto masculino foram nos anos 70, quando alcançou a fase semifinal do torneio em 1970 (na antiga Iugoslávia) e 1978 (nas Filipinas), terminando em quarto lugar em ambas ocasiões.

Em 17 edições, foram oito participações italianas na competição. A primeira vez foi  em 1963, quando o torneio foi sediado no Brasil. A última vez que a Itália esteve no torneio foi em 2006, no Japão. Nos últimos dois mundiais, a Itália não obteve classificação (2010 na Turquia e 2014 na Espanha).

O ala-armador Antonello Riva, com 18 partidas disputadas pela Azzurra no torneio, anotou 434 pontos e está entre os 10 jogadores com melhor média e número de pontos marcados na história dos mundiais. Riva é o maior cestinha de todos os tempos da Liga Italiana de Basquete e atuou como atleta de 1977 a 2005.

della valle

O jovem armador Della Valle, uma esperança de renovação do basquete italiano

FORZA AZZURRI!!!

 

 

Anúncios
Padrão