Esportes

Números do Derby

O Torneio Início foi uma competição criada puramente pelos brasileiros. O primeiro registro desse modelo de torneio de tiro curto, congregando diversas agremiações em um mesmo dia e local, com caráter beneficente, aconteceu justamente nos primeiros anos do século passado.

Pode se dizer que o Rio de Janeiro foi o berço do Torneio Início, já que a competição foi criada em 1916 pela Associação de Cronistas Desportivos do Rio de Janeiro (entidade atualmente denominada Associação de Cronistas Esportivos do Rio de Janeiro – ACERJ). A primeira edição do Torneio Início do Rio de Janeiro, cuja final fora disputada entre Fluminense e América e que teve o Tricolor Carioca como o grande vencedor, jogando em casa, contou com cerca de cinco mil espectadores e teve a renda destinada em benefício da instituição denominada Patronato de Menores.

Três anos mais tarde, em 1919, a Associação dos Cronistas Esportivos do Estado de São Paulo (ACEESP), junto com a Associação Atlética das Palmeiras, extinto clube da capital paulista, introduziram a competição no calendário esportivo bandeirante.

Sua fórmula popular foi reproduzida nas principais praças esportivas do Brasil: os estados de Minas Gerais e do Espírito Santo, por exemplo, já haviam aderido à competição a partir de 1917, enquanto, no Paraná, o Torneio Início foi implantado em 1918. Já em Pernambuco e na Bahia, a competição começou a ser disputada em 1919 – assim como em São Paulo. E no Ceará, no Rio Grande do Sul e em Alagoas, o certame fora disputado pela primeira vez, respectivamente, em 1920, 1921 e 1927.

A partir dos anos 50, por conta de questões financeiras e do aumento dos clubes nas divisões principais, a competição perdeu a sua importância, sendo descontinuada, tendo algumas edições esporádicas e esparsas, mas sem o mesmo prestígio.

O livro oficial da Federação Paulista de Futebol, escrito pelo jornalista Rubens Ribeiro, denominado “O Caminho da Bola”, que remonta a trajetória de mais de cem anos de futebol em São Paulo, retrata todas as edições da competição, com detalhes e resultados dos jogos.

PALMEIRAS NO TORNEIO INÍCIO

De 1919 a 1996, a Sociedade Esportiva Palmeiras disputou 87 partidas válidas pelo Torneio Início do Campeonato Paulista em toda a história da competição, contra as mais diversas agremiações, sagrando-se campeão nas seguintes edições: 1927, 1930, 1935, 1939, 1942, 1946 e 1969.

Independente do adversário, todas essas partidas são consideradas válidas pelo clube devido os seguintes critérios:

(1) Competição oficial organizada e chancelada pela entidade máxima do futebol estadual;

(2) Competição com regulamento definido;

(3) Competição com premiação estabelecida (troféu e bonificação em dinheiro aos participantes);

(4) Competição com arbitragem oficial;

(5) Competição com ampla difusão da mídia;

(6) Competição com bilheteria, renda e público;

(7) Competição com tradição e continuidade por cerca de quatro décadas consecutivas;

(8) Competição congregando todos os filiados da Divisão Principal;

(9) Competição em que as equipes utilizam seus uniformes oficiais;

(10) Competição em que os atletas deveriam estar devidamente filiados e registrados de acordo com as normas vigentes;

(11) Competição com súmula oficial.

Posto isso, a Sociedade Esportiva Palmeiras entende que há mais elementos que fazem a competição ter um pertencimento histórico relevante em vez de simplesmente eliminá-la de sua vida esportiva, como algo que nunca existiu, por puro anacronismo.

QUEM TAMBÉM CONSIDERA

O Clube de Regatas do Flamengo, por exemplo, que congrega um grupo de reconhecidos historiadores do clube na difusão e resgate histórico da agremiação carioca, por meio do site Fla-Estatísticas, tem o seguinte entendimento sobre a validação do Torneio Início como jogo oficial, o qual transcrevemos:

“JOGOS OFICIAIS: Consideramos na estatística oficial de jogos, aqueles em que o time do Flamengo entrou em campo obedecendo os critérios da FIFA. Mesmo quando há uma das restrições citadas abaixo, consideramos como jogo oficial do clube.

1ª Restrição: Jogos disputados em torneios que tinham jogos com duração menor que 90 minutos. Como exemplo, temos o Torneio Início e alguns torneios disputados na Europa e América do Sul. Mesmo não seguindo as determinações oficiais da FIFA, consideramos estes jogos oficiais, pois faziam parte de torneios realizados por Federações, Confederações e Entidades locais oficiais e quando o C. R. Flamengo se sagrava campeão, o título era considerado na lista oficial de títulos do clube.”

Veja mais aqui: www.flaestatistica.com/criterios

DIVERGÊNCIAS

Há divergências nos números dos confrontos entre Palmeiras e Corinthians justamente por conta dos critérios utilizados pelos clubes no tratamento de sua história: o Alviverde considera as partidas válidas por Torneios Inícios para fins de estatísticas, enquanto o Alvinegro suprime estes resultados quando contabilizam seu retrospecto.

Desde a implementação estatutária do Departamento de Acervo Histórico da Sociedade Esportiva Palmeiras, em 2005, o grupo de trabalho alviverde segue a mesma metodologia e princípios, e sempre considerando as partidas válidas pelo Torneio Início, a exemplo do que fez o Almanaque do Palmeiras, de autoria de Celso Dario Unzelte e Mário Sergio Venditti, publicado em 2004 pela Editora Abril, que contempla jogos de Torneio Início e outras competições similares contra todas as equipes do futebol paulista, sem distinção e revisionismo.

O Sport Club Corinthians Paulista, conforme a sua posição oficial e pública, utiliza como números oficiais os dados fornecidos pelo jornalista Celso Dario Unzelte.

De 2000 até os dias atuais, Unzelte já apresentou as seguintes posições nos mais diversos trabalhos por ele elaborado:

Almanaque do Timão – Volume 1 – (autor: Celso Dario Unzelte) publicado em 2000 pela Editora Abril.

Todo o almanaque considera as dezenas de jogos do Corinthians pelo Torneio Início de 1919 a 1996, além do Torneio Henrique Mündel, o qual a agremiação corintiana jogou com o time titular.

Esse mesmo Almanaque foi reeditado em 2005, porém, desta vez, sem os jogos do Torneio Início e do Torneio Henrique Mündel.

Corinthians x Palmeiras – Uma história de Rivalidade (autor: Antônio Carlos Napoleão), publicado em 2001 pela editora Mauad, com colaboração de Celso Dario Unzelte.

O trabalho distingue o Torneio Início separadamente, mas traz como jogo válido o Torneio Henrique Mündel.

Revista Placar – Os Grandes Clássicos (maio de 2005). Com colaboração de Celso Dario Unzelte

A edição não considera os Torneios Inícios, mas traz como jogo válido o Torneio Henrique Mündel.

Site – Meu Timão

Um dos portais mais importantes de difusão de conteúdo sobre o Sport Club Corinthians Paulista, o Meu Timão apresentou matéria especial sobre a conquista do Torneio Início, em 17 de novembro de 2017, às 16h43, assinada por Celso Dario Unzelte.

Site Oficial – SCCP

O site oficial do Sport Club Corinthians Paulista também faz referências à competição, tanto em algumas matérias do site quanto na sua relação de conquistas e cronologia histórica.

Revista O Mundo do Futebol publicada em 2003 pela Editora On Line, com colaboração e consultoria de Celso Dario Unzelte.

A obra traz os jogos do Torneio Início e do Torneio Henrique Mündel na contagem geral dos números do confronto.

CONCLUSÃO

O trabalho elaborado pela Sociedade Esportiva Palmeiras engloba todos os confrontos oficiais entre as equipes principais dos dois tradicionais clubes na história, sem distinção, respeitando e preservando a história puramente factual, de forma fria, sem análises, interpretações personalistas, critérios próprios ou julgamentos.

O trabalho elaborado pelo Sport Club Corinthians Paulista apresenta os números, alegando que os Torneios Inícios e a Taça Henrique Mündel não eram competições jogadas em 90 minutos, apesar de a competição ser oficial organizada pela entidade máxima do futebol bandeirante, ter súmula, juiz, valer taça, ter público, bilheteria e registros nas federações e imprensa.

Vale lembrar que, nem sempre na história do futebol, as partidas eram jogadas em 90 minutos. No início dos tempos, por exemplo, as partidas eram divididas em dois tempos de 40.

Indo além, as partidas disputadas em 1918 e no começo de 1919 foram limitadas em seu tempo de jogo ainda mais, baixando as partidas do Campeonato Paulista para dois tempos de 35 minutos, devido à epidemia da Gripe Espanhola, por exemplo.

Segundo a ótica alvinegra, como ficam os jogos que houveram prorrogação? Afinal, segundo eles, o critério para estabelecer o que é ou não jogo válido são apenas os 90 minutos. Partindo disso, a semifinal do campeonato paulista de 1986 e as finais do paulista de 1993 e 1995 deverão ser riscadas da história do Derby?

Partindo da análise dos corintianos, teriam então que ser deconsiderados inúmeros jogos da história do Derby, pois a regra utilizada por eles para formatação de seus conceitos históricos não atende aos parâmetros de análise por eles mesmos criados e entendidos como ponto de fé e verdade absoluta, aos quais apontamos acima.

O trabalho do Palmeiras tem como a regra número 1 o seguinte parâmetro: não se mede o passado com a régua do presente e vice-versa. Deve-se respeitar os fatos de acordo com o seu tempo e o seu espírito.

No entanto, cabe a cada um julgar por si só os metódos adotados pelas duas instituições na preservação da história de um dos maiores confrontos do futebol mundial e utilizar a métrica que melhor lhe convém. A Sociedade Esportiva Palmeiras trabalha com fatos. E, aos fatos, respondemos.

Se o Corinthians entende que os jogos do Torneio Início contra o Palmeiras devam ser descartados e não valem nada, entendemos que eles prestam um desserviço à memória de seu próprio clube. Afinal, o time alvinegro possui oito títulos da competição, sendo o maior campeão do torneio, e por conta de não reconhecê-lo, segundo o que foi exposto no trabalho alvinegro, tem por si só essas conquistas descartadas de sua rica galeria de campeões. Já nós, do Palmeiras, damos muito valor a tudo aquilo que conquistamos, com suor e fibra, no gramado em que a luta sempre nos aguarda. Principalmente a todas as vitórias sobre o nosso maior rival.

NÚMEROS DO DERBY

Jogos: 369
Vitórias Palmeiras: 131
Empates: 110
Vitórias Corinthians: 128
Gols marcados Palmeiras: 522
Gols marcados Corinthians: 482

luis pereira consola rivelino 1974

FORZA VERDÃO!!!

Anúncios
Padrão
Esportes

Semifinais do Paulistão

Os quatro maiores clubes do futebol paulista estão todos classificados para a fase semifinal do Campeonato Paulista de 2018. Palmeiras e Santos se enfrentam em dois jogos no estádio do Pacaembu. O primeiro embate será nesse sábado (24), às 19h, apenas com torcida santista. A partida de volta acontece na terça-feira (27), às 20h30, apenas com torcedores palestrinos.

No outro confronto, corintianos e são paulinos  se encaram em busca da outra vaga na final. O primeiro encontro será no domingo (25), às 16h, no estádio do Morumbi, com presença apenas de tricolores. O jogo de volta acontece na quarta-feira (28), às 21h45, na Arena de Itaquera, apenas com torcedores alvinegros.

Essa será a oitava vez em toda a história do Campeonato Estadual que os quatro grandes chegam juntos à fase semifinal. A primeira vez que isso aconteceu foi em 1983. Nas ocasiões anteriores, o Corinthians conquistou três títulos (1983, 1999, 2009), São Paulo dois troféus (1987 e 2000), Santos dois canecos (2011 e 2015) e apenas o Palmeiras nunca venceu o Paulistão quando as quatro maiores forças do Estado estiveram todas juntas reunidas nessa fase decisiva em confrontos eliminatórios. O Verdão chegou em duas finais e ficou com o vice-campeonato em 1999 e 2015.

O time do Parque São Jorge é a equipe que mais superou os seus tradicionais rivais nos confrontos diretos, contando também a decisão. Eis o retrospecto: Corinthians (8 eliminações a favor), Santos (6 eliminações a favor), São Paulo (5 eliminações a favor) e Palmeiras (2 eliminações a favor).

Grandes nas semifinais

Edição 1983
Semifinais
São Paulo x Santos – São Paulo eliminou o Santos
Palmeiras x Corinthians – Corinthians eliminou o Palmeiras

Final
Corinthians x São Paulo
Campeão: Corinthians

Edição 1987
Semifinais
Palmeiras x São Paulo – São Paulo eliminou o Palmeiras
Corinthians x Santos – Corinthians eliminou o Santos

Final
Corinthians x São Paulo
Campeão: São Paulo

Edição 1999
Semifinais
Palmeiras x Santos – Palmeiras eliminou o Santos
Corinthians x São Paulo – Corinthians eliminou o São Paulo

Final
Palmeiras x Corinthians
Campeão: Corinthians

Edição 2000
Semifinais
Palmeiras x Santos – Santos eliminou o Palmeiras
Corinthians x São Paulo – São Paulo eliminou o Corinthians

Final
Santos x São Paulo
Campeão: São Paulo

Edição 2009
Semifinais
Palmeiras x Santos – Santos eliminou o Palmeiras
Corinthians x São Paulo – Corinthians eliminou o São Paulo

Final
Corinthians x Santos
Campeão: Corinthians

Edição 2011
Semifinais
Santos x São Paulo – Santos eliminou o São Paulo
Palmeiras x Corinthians – Corinthians eliminou o Palmeiras

Final
Corinthians x Santos
Campeão: Santos

Edição 2015
Semifinais
Santos x São Paulo – Santos eliminou o São Paulo
Palmeiras x Corinthians  – Palmeiras eliminou o Corinthians

Final
Palmeiras x Santos
Campeão: Santos

Palmeiras contra Santos

O Verdão enfrentou o Peixe na fase semifinal do estadual em quatro oportunidades,  ao longo dos tempos: 1999, 2000, 2009 e 2016.

O time da Vila Belmiro leva ampla vantagem contra o alviverde. Os palestrinos só superaram o seu tradicional em uma única ocasião, justamente no primeiro encontro entre ambos em 1999.

Naquela ocasião, no primeiro jogo, o Verdão foi derrotado por 2 a 1 no jogo de ida no Morumbi. No jogo de volta, também no estádio Cícero Pompeu de Toledo, o Palmeiras devolveu o placar de 2 a 1 e eliminou os santistas, garantindo vaga na grande decisão.

Em 2000, o confronto também foi realizado em jogos de ida e volta, registrando empate em 0 a 0 e vitória santista por 3 a 2, numa virada espetacular, após o time palmeirense abrir 2 a 0 no placar, no estádio do Morumbi.

O terceiro embate entre alviverdes e alvinegros aconteceu em 2009. Também em dois confrontos, os santistas venceram o Verdão por 2 a 1 nos jogos na Vila Belmiro e Palestra Itália.

Em 2016, em jogo único no estádio da Vila Belmiro, houve empate em 2 a 2. O atacante Rafael Marques fez os dois gols palestrinos nos minutos finais da partida, quando os santistas venciam por 2 a 0. O jogo foi para a decisão por pênaltis e o time do litoral paulista venceu por 3 a 2. Barrios, Fernando Prass e Rafael Marques perderam as penalidades máximas para os palestrinos. Cleiton Xavier e Jean converteram as suas cobranças.

O fato curioso dessa partida foi o goleiro Fernando Prass ter defendido o pênalti cobrado pelo meia Lucas Lima, que hoje atual pelo Verdão.

Foi esse também o primeiro clássico da história do futebol paulista com torcida única, ou seja, sem torcida adversária, por determinação da lei.

Semifinais na década

De 2008 para cá, ano em que o Palmeiras venceu o seu último título estadual, essa é a oitava vez que o alviverde chega na fase semifinal do torneio. Os palmeirenses só ficaram ausentes em 2010, 2012 e 2013.

Nas sete ocasiões anteriores, os palestrinos conseguiram a vaga para a final por duas vezes, nos anos de 2008 e 2015.

Confira todos os confrontos palestrinos nas semifinais do Paulistão na última década:

2008 – Palmeiras eliminou o São Paulo
2009 – Palmeiras foi eliminado pelo Santos
2011 – Palmeiras foi eliminado pelo Corinthians
2014 – Palmeiras foi eliminado pelo Ituano
2015 – Palmeiras eliminou o Corinthians
2016 – Palmeiras foi eliminado pelo Santos
2017 – Palmeiras foi eliminado pela Ponte Preta

*** Colaborou com as informações o pesquisador Valdir Palmeirense de Diadema

torcida

FORZA VERDÃO!!!

 

Padrão
Esportes

Dia de Juvenal

Nesse domingo (4), todas as atenções estarão voltadas para o grande clássico paulista. Juventus e Nacional duelam pela décima rodada do Campeonato Paulista da Série A-2, às 10h, no estádio Conde Rodolfo Crespi, na rua Javari, na Mooca.

O Juventus nunca perdeu para o seu rival em partidas válidas pela Série A-2. Essa será a quinta vez na história que as equipes se enfrentam pelo torneio, com duas vitórias  grenás e dois empates.

O último confronto entre as equipes pela divisão de acesso aconteceu em 9 de abril de 2005. O Moleque Travesso goleou por 4 a 2, em jogo realizado na rua Javari. Emerson Mi, meio campista e atual ídolo da torcida nacionalina, jogava pelo Juventus naquela ocasião e fez um dos gols do triunfo grená. Ao fim daquela temporada, os juventinos conquistaram o título e a vaga para a elite do futebol estadual.

Por sua vez os nacionalinos se orgulham da sua maior série sem derrotas para o time da Mooca em todos os tempos. Desde 2008 o Nacional não sabe o que é perder para o seu rival. De lá para cá, foram cinco jogos, com três vitórias e dois empates.

A última vitória juventina já faz quase uma década e isso é um espinho entalado na garganta dos apaixonados torcedores grenás. O feito aconteceu em 17 de setembro de 2008, em jogo válido pela Copa Paulista de Futebol, na rua Javari. Com gol do atacante Dewide, o Moleque Travesso venceu por 1 a 0 o time da Barra Funda.

Tradicionalmente batizado como Juvenal, o confronto reúne duas das mais tradicionais equipes do futebol paulista. Ambos são sócios-fundadores da atual Federação Paulista de Futebol, desde 1941, gozam de prestígio, simpatia e lutam bravamente para se reerguerem no cenário estadual.

Desde 1974 o Nacional está ausente da divisão principal. Já o Juventus amarga a ausência da elite desde 2008.

Grandes nomes da história do futebol brasileiro já vestiram as camisas das duas equipes. No Nacional: Roberto Dias, Servílio, Lima, Dodô, Deco, Cafu, Rubens Minelli, entre outros. No Juventus: Oberdan Cattani, Julinho Botelho, Luizinho Pequeno Polegar, Baltazar, Pinga, Brecha, Thiago Motta, Alex, Luisão, são alguns valores que desfilaram seu talento envergando as cores grenás.

Juvenal em números

Total de Jogos: 75
Vitórias Juventus: 35
Empates: 21
Vitórias Nacional: 19
Gols marcados pelo Juventus: 142
Gols marcados pelo Nacional: 116
Primeiro Juvenal: Juventus 3×1 Nacional – Campeonato Paulista – 27/9/1936
Maior goleada a favor do Juventus: Juventus 5×0 Nacional – Campeonato Paulista – 5/8/1956
Maior goleada a favor do Nacional: Nacional 5×1 Juventus – Amistoso – 25/1/1961

**** Nota:  Não inclui nas estatísticas jogos-treinos e também as partidas que o C.A.Fiorentino realizou contra o SPR nos anos 30. Todos os números se referem a partidas oficiais entre as equipes, incluindo jogos do Torneio Início.

Curiosidades

– No estádio da rua Javari já foram realizados até aqui 43 jogos entre as equipes, com 22 vitórias juventinas, 10 empates, 11 vitórias nacionalinas, 84 gols pró Juventus e 64 gols pró Nacional. Nesse final de semana, pode-se alcançar o gol número 150 do Juvenal no estádio juventino.

– Em 2008, o Juvenal registrou o maior número de gols da história do confronto. Foram noves gols marcados e o placar final registrou Juventus 5×4 Nacional.

– Os dois times nasceram com nomes diferentes. O Juventus chamava-se Cotoníficio Rodolfo Crespi F.C. e o Nacional era denominado São Paulo Railway A.C.

*** Em caso de reprodução dos dados acima, é obrigatório dar os créditos das informações ao autor Fernando Razzo Galuppo e seu respectivo blog pessoal ***

juvenal

Padrão
Esportes

Reação Grená

O início da temporada juventina não é nada animadora. O sinal de alerta já está aceso na Mooca. Em quatro jogos até aqui, foram três derrotas e um W.O. a favor. Ou seja, dentro do campo os juventinos ainda não sabem o que é vencer e já ocupam as últimas colocações do campeonato.

Esse desempenho pífio fez com que o técnico Edmilson de Jesus fosse demitido sem obter nenhuma vitória pelo Moleque Travesso.

Notícias extra-oficiais dão conta que o ex-atacante juventino Alex Alves assuma o comando da equipe nos próximos dias. Dirigindo o Nacional da Capital no ano passado, ele foi um dos responsáveis pela montagem da equipe nacionalina que conquistou o título do Campeonato Paulista da Série A-3 e o acesso para a divisão superior em 2017

Fator Javari

A rua Javari sempre foi um trunfo importante para o time da Mooca. Antes do início do Campeonato Paulista da Série A-2,  o Juventus mantinha 16 partidas invictas pela competição estadual atuando em seus domínios. Até então, essa era a sua segunda melhor marca em casa pelo torneio em toda a história do clube.

Nessa temporada, o alçapão se tornou um parque de diversões para os adversários. Em dois jogos como mandante, os juventinos foram facilmente batidos pelos seus rivais (Xv de Piracicaba e Grêmio Osasco) e não conseguiram se impor em casa.

A única vez que o Juventus perdeu três partidas seguidas em jogos do Campeonato Paulista da Série A-2 na rua Javari foi em 1999 (contra Paulista de Jundiaí, São Caetano e Ponte Preta).

Alta média de idade

O time que atuou na derrota diante do Grêmio Osasco no último final de semana aponta uma média de idade de 27,92 anos.

Dos quatorze atletas utilizados, onze titulares e três substituições, cinco jogadores apresentam mais de 30 anos. Vejamos: André Dias 28, Léo Cunha 22, Robson 24, Herbert 35, Sérgio Raphael 25, Felipe Saturnino 22, Nata 32, Rosinei 34, Wendel 36, Janderson 24, Baroni 28, Rafael Franco 24, Weldon 37, Deivide 20.

O Moleque Travesso é um dos times com maior média de idade na competição.

Desgaste excessivo

Dos oito mandos de campo que possui no Paulista A-2, o Juventus jogará seis vezes às 10h e apenas duas vezes após às 15h, de acordo com a tabela oficial divulgada pela Federação Paulista de Futebol, até essa data.

Duas partidas já se realizaram nesse horário matutino. Ambos com derrotas juventinas pelo placar de 1 a 0.

Dos sete jogos como visitante, o Juventus jogará apenas uma vez no período da manhã, diante da Portuguesa de Desportos, no Canindé. Os demais confrontos serão na parte da tarde ou a noite.

O Juventus é o clube que jogará o maior número de jogos nesse horário das 10h, entre todos os participantes do Paulista A-2 em 2018.

Ou seja, metade da competição atuará sob o sol escaldante, sendo uma das equipes com maior média de idade do torneio, e por consequência sofrendo um desgaste físico superior em relação aos seus adversários.

Isso sem contar as viagens: Votuporanga (530 km), Batatais (362 km) e Penápolis (480 km), Taubaté (150km). Teria ainda a viagem para Rio Claro, mas essa foi cancelada devido a não realização da partida.

Em 2015, a Confederação Brasileira de Futebol, com médicos e dirigentes da entidade, decidiu que o horário não é apropriado para a prática do jogo, mesmo com parada técnica nos dois tempos para hidratação, abortando a realização dos jogos da Série A do Brasileiro no período matutino.

Reforços

Uma das tantas críticas da torcida grená tem sido a não utilização dos garotos da base do clube. No último domingo, os nomes de Dener e Cesinha, por exemplo, foram pedidos pelos torcedores, que nem ao menos estavam entre os relacionados para o jogo.

Outro ponto que se discute também é a possível negociação por empréstimo de alguns jovens atletas que não serão utilizados pelos grandes paulista (Palmeiras, São Paulo, Santos e Corinthians), que disputaram a Copa São Paulo de Juniores e por ventura não seriam utilizados por essas equipes no estadual, tendo espaço no time da Mooca.

Com as regras de inscrição de atletas mais rígidas para essa temporada, o novo comandante grená terá sérias dificuldades de fazer ingressar reforços de relativa qualidade para o atual elenco, sendo esse um dos principais desafios para quem for assumir o cargo.

Torcida Juventina

Nos últimos anos, o Juventus é o time da capital paulista que leva o maior número de torcedores ao estádio quando atua como mandante, sem contar o trio de ferro formado por Palmeiras, São Paulo e Corinthians.

Seguindo a tendência das temporadas anteriores, o Moleque Travesso já desponta como a melhor média de público em relação aos times da capital, que também disputam o Paulista da Série A-2. Confira os números:

Estádio Conde Rodolfo Crespi
Juventus x Xv de Piracicaba – 2.536 pagantes
Juventus x Osasco/Audax – 1.748 pagantes
Média: 2.142 pagantes por jogo

Estádio Comendador Souza
Nacional x São Bernardo – 386 pagantes
Nacional x Votuporanguense – 300 pagantes
Média: 343 pagantes por jogo

Estádio Oswaldo Teixeira Duarte
Portuguesa x Batatais – 966 pagantes
Portuguesa x Xv de Piracicaba – 1.069 pagantes
Média: 1.017 pagantes por jogo

juve

FORZA JUVE!!!

Padrão
Esportes

Verdão no Paulista

O Palmeiras faz a sua estreia no Campeonato Paulista de 2018 diante do Santo André, no estádio Palestra Itália, na noite de quinta-feira (18), às 19h30. Essa será a 102 participação do alviverde na competição estadual de maior relevo do futebol nacional.

A primeira vez que o alviverde disputou o torneio foi em 1916. De lá para cá, foram 22 títulos de campeão e 24 vice-campeonatos. Apenas em 2002 o Palmeiras (e todas as equipes grandes da capital) não esteve presente no torneio.

Em três edições o Verdão terminou a disputa sem sofrer sequer uma derrota. Foram nos anos de 1926, 1932 e 1972.

Foram quatro os anos em que o Palmeiras sofreu o menor número de gols numa única edição. Os palmeirenses permitiram apenas oito gols aos seus adversários nas edições de 1926, 1932, 1934 e 1972.

Apenas em duas ocasiões o alviverde superou a marca de 100 gols ou mais numa única edição. Foram nos anos de 1959 (112 gols) e em 1996 (102 gols).

Em 1981 foi o ano em que o Verdão efetou o maior número de partidas pelo estadual. Foram 52 jogos. O ano em que o Palmeiras mais venceu no torneio foi em 1959, quando obteve 30 vitórias em 41 jogos.

Goleadores

O alviverde também ostenta a marca dos melhores desempenhos numa única edição do Campeonato Paulista, tanto na era amadora (1902 a 1932) quanto na era profissional (1933 em diante). Esses feitos ocorreram em 1932 (quando obteve 100% de aproveitamento) e em 1996 (quando alcançou 92,2% de aproveitamento).

Os artilheiros do Palmeiras na história da competição foram: Heitor Marcelino (1926 e 1928), Romeu Pelliciari (1932 e 1934), Humberto Tozzi (1953 e 1954), César Maluco (1971), Evair (1994), Vagner Love (2004), Alex Mineiro (2008) e Alan Kardec (2014).

Humberto Tozzi, com 36 gols marcados em 1954, é o recordista de gols numa única edição com a camisa palestrina.

Técnicos

Roger Machado será o treinador de número 97 a comandar o Palmeiras na história do Campeonato Paulista.

Foram esses os técnicos que escreveram seu nome na história alviverde pela eternidade ao conquistarem o caneco de campeão: Giuseppe Roberti e Frediano De Lucca (1920), Renzo Mangiande (1926), Ramon Platero (1927), Humberto Cabelli (1932, 1933 e 1934), Ventura Cambon (1936 e 1950), Caetano De Domenico (1940), Armando Del Debbio (1942 e 1944), Oswaldo Brandão (1947, 1959, 1972 e 1974), Silvio Pirilo (1963), Mario Travaglini (1966), Dudu (1976), Vanderlei Luxemburgo (1993, 1994, 1996 e 2008).

Números

Jogos: 2.456
Vitórias: 1.381
Empates: 594
Derrotas: 481
Gols Pró: 4.914
Gols Contra: 2.587

Maior Goleada a favor: 8/8/1920 Palestra Itália 11×0 Internacional
Primeira partida: 13/5/1916 Palestra Itália 1×1 Mackenzie

*** Em caso de reprodução dos dados acima, é obrigatório dar os créditos das informações ao autor Fernando Razzo Galuppo e seu respectivo blog pessoal ***

evair_campeao_fluminense_gaz

FORZA VERDÃO!!!

Padrão
Esportes

Verdão na Copinha

A equipe de juniores da Sociedade Esportiva Palmeiras enfrentará a Associação Portuguesa de Desportos na próxima sexta-feira (19), às 19h20, no estádio municipal do Pacaembu, pelas quartas de final da Copa São Paulo de Futebol Juniores.

O Verdão até aqui anotou 20 gols e sofreu apenas um, em seis jogos disputados na competição, com cinco vitórias e um empate. O atacante Fernando é o artilheiro da equipe alviverde com cinco gols marcados e briga também para ser o principal marcador da competição.

Comandado pelo técnico Wesley Carvalho, o time palmeirense sonha com a conquista inédita e já deixou para trás Taubaté, Moto Club, Luverdense, Botafogo-PB e Vasco da Gama.

Palestra x Lusos

Na história da Copa São Paulo de Futebol Juniores esse será o quinto jogo entre Palmeiras e Lusa. Nos quatro jogos anteriores, a vantagem é dos rubro-verdes com três vitórias, contra apenas uma dos palestrinos. Em fase eliminatória, há equilíbrio com uma eliminação para cada lado.

O primeiro encontro entre as equipes aconteceu em 1971 pela primeira fase da competição, com a Lusa vencendo pelo placar de 3 a 2. O segundo confronto aconteceu em 1974, pela fase semifinal do torneio. Novamente o time do Canindé superou o alviverde pelo placar de 1 a 0, na única vez que a partida entre as equipes aconteceu no estádio municipal do Pacaembu, palco do encontro nessa atual edição.

Em 1977 novo triunfo da Lusa também pelo placar de 1 a 0, em partida válida pela primeira fase da Copinha.

A única vitória palestrina contra o lusitanos na competição aconteceu em 2010, na cidade de São Carlos, em jogo válido pelas quartas de final. O time alviverde goleou o seu tradicional adversário pelo placar de 4 a 2, gols marcados por Wellington, Mayko, Ramos e Luis Felipe, avançando à semifinal.

Palmeiras no Pacaembu

Essa será a décima oitava vez que o Palmeiras jogará no estádio municipal do Pacaembu pela Copa São Paulo de Futebol Juniores. Até aqui, nos dezessete jogos disputados, foram três vitórias, seis empates, oito derrotas, 16 gols pró e 19 gols contra.

Na cancha da municipalidade, o Verdão disputou quatro decisões por pênaltis em jogos da Copinha. Em todas elas, o alviverde nunca conseguiu êxito sobre os seus rivais uma única vez sequer.

A primeira vez que os palmeirenses atuaram no estádio pela competição foi em 1972, na goleada por 4 a 0 contra o Campo Grande-RJ.

A última partida do Palmeiras no estádio municipal do Pacaembu pela Copinha foi justamente na final da competição em 25 de janeiro de 2003, quando o Verdão empatou em 2 a 2 contra o Santo André, e ficou com o vice-campeonato do torneio ao ser superado nas penalidades máximas.

O Verdão possui um tabu indigesto atuando diante de clubes paulistas pela Copinha no estádio municipal. Foram oito jogos contra equipes do próprio Estado, sem nunca obter sequer uma vitória, tendo alcançado cinco empates e três derrotas.

*** Em caso de reprodução dos dados acima, é obrigatório dar os créditos das informações ao autor Fernando Razzo Galuppo e seu respectivo blog pessoal ***

simbolo-original

FORZA VERDÃO!!!

Padrão
Esportes

Sete juízes em campo

O dia 19 de julho de 1936 entrou para a história do futebol paulista, como sendo a primeira vez que sete juízes atuaram na condução de uma competição oficial na capital paulista.

O fato inédito e pitoresco aconteceu no Torneio Início do Campeonato Paulista da Associação Paulista de Esportes Atléticos (APEA), no extinto campo da A.A.São Bento, na Ponte Grande, Zona Norte da cidade de São Paulo.

Os juízes eram assim distribuídos: um árbitro central, 2 juizes de meta e 4 juizes de linha, um em cada metade do gramado e em lados opostos.

A razão de haver o número exagerado de árbitros, deu-se pelo fato do número reduzido de equipes que disputaram o torneio, frustrando a expectativa dos organizadores, que se programaram para um grande evento.

Cinco clubes apenas apresentaram-se ao torneio, no qual foi disputado o bronze “Helle Nice”, ofertado pelo consul da França, sr. De Martin, o qual deu o pontapé inicial da partida final. Foram eles: São Caetano, Ypiranga, Portuguesa de Desportos, Ordem e Progresso e Humberto Primo.

Era um período de cisão entre as entidades organizadoras no futebol paulista. A APEA organizou dois Campeonatos Paulistas com a ausência das grandes equipes, como o Palmeiras, Santos e Corinthians, São Paulo, em 1935 e 1936, que disputavam um Paulistão pela Liga Paulista de Futebol que era apoiada pela CBD (Confederação Brasileira de Desportos). A APEA não resistiu e fechou, sendo sucedida pela concorrente Liga de Futebol do Estado de São Paulo.

Na decisão da competição, o modesto Esporte Clube Humberto Primo (atual Esporte Clube Vila Mariana) sagrou-se campeão ao vencer a favorita e tradicional Portuguesa de Desportos, por 2 a 1, sob o comando do árbitro central Heitor Marcelino Domingues, ex-jogador e maior artilheiro da história do Palestra Itália (Palmeiras).

O troféu existe até hoje e está preservado na sede social do Esporte Clube Vila Mariana (atual denominação do Esporte Clube Humberto Primo, que teve que mudar seu nome devido a Segunda Guerra Mundial), localizado na Rua Domingos de Morais 1.768.

Ficha técnica da partida final:

Humberto Primo 2×1 Portuguesa de Desportos
Campo: A.A.São Bento (Ponte Grande)
Gols: Omar, Chemp (HUM); Duilio (POR)
Humberto: Roberto, Ernesto, Rebizzi, Barolo, Meudo, Isaias, Pedrinho, Omar, Dempsey, Chemp, Figurado.
Portuguesa: Rodrigues, Fiorotti, Oswaldo, Manduco, Duilio, Barros, Frederico, Carioca, Arnaldo, Alberto, Emilio.

Confira as escalações das equipes participantes do torneio:

São Caetano: Figueira, Rossi, Martorelli, Reis, Mesquita, Bizueta, Marinotti,  Firmo, Anilu, Zeca, Lela

Portuguesa: Rodrigues, Fiorotti, Oswaldo, Manduco, Duilio, Barros, Frederico, Carioca, Arnaldo, Alberto, Emilio

Humberto I: Roberto, Ernesto, Rebizzi, Barolo, Meudo, Isaias, Pedrinho, Omar, Dempsey, Chemp, Figurado

Ordem e Progresso: Belmiro, Italiano, Orlando, Marcello, Lagreca, Gino, Nene, Mariano, Juca, Waldomiro, Arnoldo

Ypiranga: Tuffy, Rovay, Archangelo, Pepe, Americo, Raphael, Figueiredo II, Avelino, Murza, Jorginho,  Figueiredo I.

untitled

 

Padrão