Italianidade

Paulistinha, sim senhor!

O palmeirense tem sido tachado por alguns setores da crônica esportiva e também por dirigentes do futebol paulista como um clube “chorão”, justamente pelo fato dos esmeraldinos lutarem por aquilo que julgam ser o caminho mais correto. Um comportamento, no mínimo, infantilizado de quem tenta diminuir os reclames palestrinos e não aceita ser contestado, adotando um discurso subserviente.

De 2018 para cá, a má vontade (quero ainda não acreditar em má fé) e os sucessivos erros contra a Sociedade Esportiva Palmeiras protagonizados pela FPF são notórios, gerando um estado de espírito litigioso entre as partes.

Na história centenária Palestrina, o clube alviverde já protagonizou duas grandes cisões com a entidade máxima do futebol paulista, afastando-se das competições estaduais, por não concordar com a forma desrespeitosa que fora tratado.

A primeira delas aconteceu em 1918. Tendo início o Campeonato Paulista, o Palestra, com pouco mais de três anos de vida, já era apontado como uma potência do futebol paulista, dono de uma popularidade enorme e candidato a conquista do título.

Apesar de alguns tropeços diante da A.A. das Palmeiras e da A.A. São Bento, a equipe brigava pelas primeiras colocações. Foi quando no dia 30 de junho, no jogo entre Palestra Italia e Clube Atlético Paulistano, devido aos inúmeros erros cometidos pelo juiz da partida em favor do Paulistano, entre outras provocações feitas por dirigentes deste clube dias antes da partida nos veículos de imprensa, jogadores e torcedores alviverdes envolveram-se na maior briga já vista, até então, no esporte paulista.

As arquibancadas do estádio do Jardim América, sede do Paulistano, clube aristocrata onde se concentrava a burguesia da cidade, foram completamente destruídas pelos palestrinos. O árbitro apanhou feito gente grande. A guarda montada precisou intervir. Foi um verdadeiro caos!

Era o orgulho do Palestra que tinha sido ferido. Segmentos da imprensa e o próprio Paulistano haviam tocado na essência italiana daqueles imigrantes que viam no Palestra um elo que os uniam a sua terra natal, a Itália.

Provocações de todos os tipos contra os torcedores e jogadores palestrinos, a fim de desestabilizá-los foi o motivo maior que gerou um estado pleno de revolta, culminando com o mau resultado no campo de jogo, tornando uma simples partida, numa questão de vida ou morte para a coletividade palestrina.

Assim sendo, no dia 3 de julho de 1918, a gente palestrina, após uma histórica assembleia geral, que reuniu mais de 800 associados, decidiu o desligamento do Palestra Italia da APSA (Associação Paulista de Sports Atléticos), por unanimidade de votos, e automaticamente a criação de uma nova liga.

Surgia a Federação Olímpica Paulista – F.O.P. Formava-se, assim, a mais nova cisão no futebol paulista, composta pelas seguintes equipes: Palestra Italia, América-SP, Americano-SP, Campos Elyseos, Touring Club Paulistano e Luzitano.

Eis a transcrição da decisão palestrina veiculada nos jornais da época no dia 4 de julho de 1918, sob o título, “O Palestra desliga-se da APSA”:

“De acordo com a assembléia geral realizada no dia 03/07/1918, a Societa Sportiva Palestra Italia, por unanimidade de votos – o que representou mais de 800 votos – decidiu o desligamento dessa sociedade da APSA.

Os motivos dessa resolução são bastante conhecidos em São Paulo e devem-se aos deploráveis incidentes ocorridos no Jardim América em 30/06/1918.

Na mesma reunião foi aventada a idéia de construir um campo próprio, sendo aberta então uma subscrição entre os sócios presentes que imediatamente logrou o saldo de 60 contos de réis”.

Imaginava-se, aquela altura, um enfraquecimento do Palestra com a sua saída da APSA, entretanto, ocorreu justamente o contrário. O Palestra continuou forte, vencedor, deu início ao projeto de compra de sua praça esportiva, enquanto a APSA perdia um dos seus mais rentáveis integrantes.

A volta para a competição estadual veio no ano seguinte, após inúmeras reuniões conciliatórias, bem como a intervenção do presidente da Associação do Chronistas Sporitvos do Estado de São Paulo, Sr. Olival Costa.

Nova cisão em 1924

Uma vez mais, como em 1918, o Palestra Italia sacrificou-se tecnicamente, tomando a decisão de abandonar o campeonato oficial da APSA, a fim de que prevalecesse o respeito que lhe era devido, bem como a honra e dignidade da família palestrina.

A entidade maior do futebol passava por uma reforma nas suas leis esportivas e disciplinares a pedido do Paulistano e apoiado pela maioria dos clubes filiados, inclusive pelo próprio clube de Parque Antártica.

Logo após a primeira partida da equipe no certame local contra o Paulistano, no dia 21 de abril de 1924, Nigro e Cassarini, atletas alvi-esmeraldinos, foram os primeiros alvos de tais reformas, sendo ambos acusados de praticarem jogo violento e de modo arbitrário suspensos por três jogos pela comissão de sindicância da Associação. O clube alviverde, a contragosto, recorreu a decisão, mas de nada adiantou.

A gota d’agua, no entanto, estava reservada para o dia 3 de maio de 1924. No tumultuado jogo contra o Braz Atlhetico, o Palestra, já desfalcado destes importantes jogadores, além de Picagli que fora suspenso pela APSA no final da temporada anterior, participou de uma grande confusão dentro de campo. Primo, goleiro alviverde, brigou com atletas da equipe adversária, Heitor sofreu uma grave contusão, devido à violência dos adversários, o juiz da partida abandonou o campo tendo que ser substituído, enfim houve de tudo, menos futebol.

No dia seguinte a partida, a decisão da APSA foi ágil e severa contra o Palestra, suspendendo Primo e Heitor, imediatamente. A diretoria palestrina reuniu-se e decidiu, por unanimidade, abandonar a competição citadina, deixando clara a sua posição de descontentamento com os modos como o clube vinha sendo tratado pela entidade que controlava o futebol paulista.

O clube ficou disputando amistosos durante todo o ano de 1924, retornando para as disputas oficiais no ano seguinte, após disputa de um jogo eliminatório contra o campeão da segunda divisão do Campeonato Paulista.

simbolo-original

FORZA VERDÃO!!!

Anúncios
Padrão
Esportes

Palmeiras e o VAR

A história recente do Palmeiras com o árbitro assistente de vídeo (VAR – Video Assistant Referee) já se constitui como uma das páginas efervescentes no futebol brasileiro.  O alviverde é um dos clubes brasileiros que mais batalhou pela introdução oficial dessa nova tecnologia nas competições. Entretanto, são os palestrinos que tem protagonizado os principais episódios desse novo método.

Confira uma breve cronologia do VAR na vida esportiva palmeirense:

Palmeiras x Corinthians – Campeonato Paulista 2018

O Palmeiras divulgou no dia 10 de abril um vídeo que comprova “de maneira inequívoca e irrefutável” que houve interferência externa na final do estadual contra o maior rival, no estádio Palestra Italia, dois dias antes.

Segundo o clube, pelas imagens feitas com câmeras de segurança uma pessoa que seria da FPF (Federação Paulista de Futebol), o diretor de arbitragem Dionísio Roberto Domingos, se aproxima de um dos bandeiras da partida para passar um recado.

De acordo ainda com o Palmeiras, as imagens mostram que houve violação das normas internacionais e do CBJD (Código Brasileiro de Justiça Desportiva). Pelas regras, ninguém pode se comunicar com os membros da arbitragem.

Recentemente, em 2019, um caso parecido envolvendo as equipes de Ponte Preta e Aparecidense, em jogo válido pela Copa do Brasil, foi anulado pelo STJD, que determinou a realização de uma nova partida. O caso palmeirense foi arquivado.

Essa foi a primeira vez que o VAR (mesmo que extraoficialmente) foi utilizado no futebol brasileiro. Um ano depois, o recurso foi oficializado pela Federação Paulista de Futebol na fase final do Campeonato Paulista A-1.

Palmeiras x Bahia – Copa do Brasil 2018

Em 2 de agosto de 2018 o VAR virou uma realidade no futebol brasileiro. Depois de Anderson Daronco marcar pênalti de Gregore em Artur, em lance da partida entre Bahia e Palmeiras, e expulsar o volante do Bahia, o árbitro voltou atrás na marcação e anulou o cartão vermelho.

Foi a primeira vez na história da Copa do Brasil que o VAR ajudou o árbitro a alterar uma decisão tomada no campo.

Depois de seis minutos de análise e discussão do lance com Leandro Vuaden, escalado como árbitro de vídeo, Daronco substituiu a advertência para amarelo.

Minutos depois, o VAR entrou em ação mais uma vez após cotovelada de Deyverson em Mena. Daronco pediu calma aos jogadores para ouvir o que o árbitro de vídeo tinha a dizer e, na sequência, deu cartão vermelho ao atacante do Palmeiras, que deixou o campo chorando.

Palmeiras x Cruzeiro – Copa do Brasil 2018

Em 12 de setembro de 2018 o Palmeiras fez reclamações em relação à derrota por 1 a 0 para o Cruzeiro pelo duelo de ida das semifinais da Copa do Brasil no estádio Palestra Italia. Tudo por um gol anulado já aos 52 minutos do segundo tempo.

No lance, Fábio saiu mal do gol e dividiu a bola com o cruzeirense Léo e com o palmeirense Edu Dracena. O juiz Wagner Reway marcou falta, mas, enquanto apitava, viu Antônio Carlos chutar para o gol vazio e empatar a partida. O Palmeiras pediu que o árbitro revisse o lance pelo VAR, mas ele mandou a partida continuar.

Palmeiras x Boca Juniors – Copa Libertadores da América 2018

Em 31 de outubro a atuação do árbitro de vídeo roubou a cena no primeiro tempo do jogo entre Palmeiras e Boca Juniors, na arena do Verdão, pelas semifinais da Libertadores. Com o recurso, o árbitro colombiano Wilmar Roldán anulou um gol de Bruno Henrique no início do jogo, por impedimento de Deyverson.

A reclamação contra o árbitro Wilmar Roldán foi toda no primeiro tempo. Já nos acréscimos, os jogadores do Palmeiras reclamaram a não marcação de um pênalti num lance em que a bola teria batido na mão de Pablo Pérez. Roldán não chegou a parar o jogo para ver o replay do lance na tela do VAR ao lado do gramado.

Palmeiras x Novorizontino – Campeonato Paulista 2019

No dia 23 de março  na partida contra o Novorizontino, pelas quartas de final do Campeonato Paulista, o Palmeiras mostrou descontentamento pelo gol do time do interior paulista não ter sido anulado com o VAR. No início da jogada, a bola bateu na mão de Murilo Henrique, mas a equipe de arbitragem confirmou o lance, mesmo após análise no vídeo.

O jogo foi o primeiro da história do Campeonato Paulista com o uso oficial do árbitro de vídeo. Thiago Duarte Peixoto foi o juiz responsável pelo VAR, e depois de confirmar o gol do Novorizontino, ainda marcou um pênalti para a equipe do interior, por toque de mão de Antônio Carlos dentro da área. Fernando Prass fez a defesa na cobrança de Murilo Henrique.

simbolo-original

FORZA VERDÃO!!!

Padrão
Esportes

Juve x Lusa

Clube Atlético Juventus e Portuguesa de Desportos se enfrentam no próximo domingo (10), no estádio Conde Rodolfo Crespi, na rua Javari, no bairro da Mooca, em partida válida pela sexta rodada do Campeonato Paulista da Série A-2. O clássico dos imigrantes é a maior atração do torneio e coloca frente a frente duas das mais tradicionais camisas do futebol paulista.

Essa será a segunda vez na história do Campeonato Paulista da Série A-2 que as equipes irão se enfrentar na rua Javari. No único confronto no estádio juventino até aqui, os donos da casa ganharam dos lusos pelo placar de 3 a 1, em 23 de março de 2017. Os gols juventinos foram marcados por: Caihame, Léo Ribeiro e Jorge Mauá.

No total, pela Série A-2, Juventinos e Lusos se enfrentaram por quatro vezes, com duas vitórias do time da Mooca, um empate e uma vitória lusitana.

Na atual temporada, após cinco jogos, o Juventus ocupa a nona colocação com seis pontos ganhos. Já a Lusa está em décimo terceiro lugar com quatro pontos, sem vencer no torneio.

Tabu na Javari

Há 33 anos a Lusa não vence o Juventus na rua Javari em jogos válidos pelo Campeonato Paulista de qualquer divisão. A última vitória dos portugueses no campo da Mooca aconteceu em 5 de março de 1986, quando superou os donos da casa pelo placar de 1 a 0, pela Série A-1.

De lá para cá, são sete jogos (seis pela Série A-1 e um pela Série A-2), com cinco vitórias juventinas e dois empates. Essa é a maior sequência invicta do Juventus contra a Portuguesa em toda a sua história atuando em seu estádio.

Nos últimos cinco jogos na Javari entre as equipes pelo Campeonato Paulista, em qualquer divisão, o Moleque Travesso venceu todos.

Alex Alves invicto no clássico

O treinador juventino Alex Alves desde que assumiu o comando do time grená em fevereiro de 2018 já disputou três clássicos contra a Lusa.

Foram dois empates em 0 a 0 (um pelo Paulista A-2 e um pela Copa Paulista) e uma vitória pelo placar de 1 a 0 (pela Copa Paulista).

Como técnico do Moleque Travesso, Alex Alves já comandou a equipe com 33 jogos, 10 vitórias, oito empates e 15 derrotas.

Clássico na década

De 2009 para cá, o clássico tem sido marcado pelo equilíbrio. Contando todas as competições nessa última década foram oito confrontos entre as equipes, com três vitórias para cada lado, dois empates, cinco gols pró Juventus e sete gols pró Lusa.

Jogos: 8
Vitórias Juventus: 3
Empates: 2
Vitórias Lusa: 3
Gols Juventus: 5
Gols Lusa: 7

Números na Javari em Paulistas da Série A-1 e A-2:

Jogos: 42
Vitórias Juventus: 12
Empates: 10
Vitórias Lusa: 20

Números Gerais em Paulistas da Série A-1 e A-2:

Jogos: 123
Vitórias Juventus: 27
Empates: 31
Vitórias Lusa: 65

juve

Padrão
Esportes

Fiel… mas nem tanto!

A torcida corintiana se auto-denomina como Fiel, pela sua relação apaixonada com o time. O preto e branco é sagrado para eles. Verde nem pensar. Vetam e repudiam tudo o que pode se referir a Sociedade Esportiva Palmeiras, dada a rivalidade que ambos nutrem entre si. A paranóia é tão grande que já cogitaram pintar o gramado do estádio de Itaquera, mudaram janelas esverdeadas, barraram alfaces dos lanches e balinhas de hortelã, entre outras manias. Roupa verde, então, nem por decreto!

Mas isso nem sempre foi assim. Por duas vezes na história, os corintianos viraram casaca literalmente e vibraram pelo seu maior rival Palmeiras, com manifestações públicas e declaradas.

O primeiro registro aconteceu em maio de 1971. Na véspera da partida decisiva entre Palmeiras e Nacional do Uruguai, no Pacaembu, válida pela fase semifinal da Copa libertadores da América, uma comitiva da torcida organizada corintiana foi prestar apoio aos palmeirenses no treinamento, espontaneamente.

Com a premissa de que o “Palmeiras era Brasil na competição continental”, os alvinegros foram até o Palestra Itália dois dias antes do confronto contra os uruguaios e deixaram sua promessa aos dirigentes palestrinos de que estariam no Pacaembu apoiando o Verdão.

O jornal “A Gazeta Esportiva”, do dia 1 de maio de 1971, na página 6, registrou esse fato pitoresco e inusitado, a qual transcrevemos na íntegra:

TORCIDA DO TIMÃO NO BOM EXEMPLO

Parece mesmo que as torcidas de São Paulo estão dispostas a colaborar com a apresentação do Palmeiras diante do Nacional. Ontem, no finalzinho da tarde, a torcida corinthiana compareceu ao Parque Antártica. Falaram com Ernani e comunicaram sua solidariedade para o prélio de amanhã à tarde. Ernani estava feliz:

‘A torcida corinthiana começou com bom exemplo. Irá torcer para o Palmeiras. Grande demonstração. Afinal de contas tudo é Brasil’.

Sorrindo faz um lembrete:

‘O Corinthians já veio. Esperamos contar com a solidariedade de todas as torcidas. Ainda há tempoa para que todos compareçam ao Parque Antártica e dêem o voto de apoio”.

Ernani em questão, citado na matéria, era Ernani Matarazzo, diretor de futebol do Palmeiras naquele período. Um fundador da TUP (Torcida Uniformizada do Palmeiras), que preferiu não se identificar, viveu de perto essa curiosa situação e nos relatou o seguinte. “Conto essa história e poucos acreditam. Participei dos acordos com a Gaviões antes do jogo. O Milton Peruzzi (jornalista da Gazeta Esportiva) foi quem teve a idéia de trazê-los no Palmeiras. Os corintianos chegaram com uns 50 torcedores no treino lá no Palestra. Vieram até com instrumentos musicais”, se recorda.

No jogo, os alvinegros se fizeram representar e gritavam Brasil e não Palmeiras nas arquibancadas, comenta o torcedor palmeirense. “Tava na cara que isso não poderia dar certo. Além deles trazerem azar para nós, já que estavam na fila há anos, perdemos o jogo e a classificação. Fico puto até hoje ao lembrar disso”, conta o palmeirense em meio a gargalhadas.

As manifestações corintianas ao Palmeiras não pararam por aí e se repetiram 17 anos depois. Em 16 de julho de 1988, o Corinthians precisava vencer o Santos no estádio do Pacaembu e torcer para o Palmeiras vencer o São Paulo no estádio do Morumbi para chegar a final do Campeonato Paulista daquele ano.

O time do Parque São Jorge venceu os santistas por 2 a 0.  O Verdão venceu o Tricolor Paulista por 1 a 0. Quando o placar eletrônico do estádio municipal anunciou a vitória alviverde, a Fiel explodiu numa só voz: Palmeiras, Palmeiras, Palmeiras!!!

Os corintianos avançaram para a decisão do estadual e conquistaram o título contra o Guarani de Campinas.

Veja aqui o vídeo sobre esse fato histórico:

https://www.youtube.com/watch?v=nCP0PQjY4yQ

É inegável a paixão corintiana pelo seu clube… Mas a fidelidade por eles propalada em verso e prosa, nem tanto!

palmeiras sccp rivalidade

FORZA VERDÃO!!!

Padrão
Esportes

Palestra na frente

Nos oito Derbys realizados em toda a história da Arena de Itaquera, quem saiu na frente nunca perdeu. Essa lógica foi mantida na tarde de sábado (31), quando o Palmeiras venceu o Corinthians pelo placar de 1 a 0, gol marcado pelo atacante colombiano Borja, no jogo de ida da final do Campeonato Paulista.

O jogo de volta acontece no estádio Palestra Itália, no próximo domingo (8), às 16h, apenas com torcida palmeirense. Para essa partida, o volante Felipe Melo, expulso de campo, cumpre suspensão automática e é desfalque garantido na equipe de Roger Machado.

Os alvinegros precisam vencer por dois gols ou mais de diferença para ficar com a taça. Uma vitória deles por um gol de diferença leva a decisão para a cobrança de penalidades máximas. Ao alviverde, um empate ou vitória por qualquer placar garante a taça.

Nessa temporada, o Corinthians perdeu todas as primeiras partidas nos jogos eliminatórios do Campeonato Paulista, contra Bragantino e São Paulo, e reverteu no jogo de volta.

Já o Palmeiras ganhou todas as primeiras partidas nos jogos eliminatórios do Campeonato Paulista, contra Novorizontino e Santos, e garantiu a vantagem sobre os seus rivais no jogo de volta.

A vitória palestrina põe fim a um incômodo tabu. O time palmeirense não ganhava um Derby há quatro partidas, desde 17 de setembro de 2016, quando bateu os alvinegros pelo placar de 2 a 0, pelo Campeonato Brasileiro, na própria Arena de Itaquera. De lá para cá, foram quatro confrontos, com quatro vitórias seguidas dos corintianos, registrando a maior sequência positiva da história do clube de Parque São Jorge contra o seu maior rival.

Essa é a primera decisão entre as equipe na Era da Arenas. É também a primeira final entre ambos no século XXI. A última decisão entre os rivais aconteceu há 19 anos atrás, em 1999, pelo Campeonato Paulista, com vitória alvinegra.

No total, os times já decidiram cinco estaduais, com três vitórias palmeirenses (1936, 1974 e 1993) e duas dos alvinegros (1995 e 1999).

Estrangeiro goleador

O atacante colombiano Miguel Borja é o décimo terceiro estrangeiro a marcar gol em Derbys atuando pela Sociedade Esportiva Palmeiras. Yerri Mina, Carazzo, Echevarrieta, Villadoniga, Gonzalez, Bovio, Ponce de Leon, Artime, Rincon,  Arce, Munoz e Valdivia foram os outros estrangeiros alviverdes que escreveram seus nomes na história ao marcarem gols no tradicional confronto entre palestrinos e corintianos.

Borja também deixou sua marca em todos os clássicos nessa temporada (Santos, São Paulo e Corinthians). O último atleta palmeirense a marcar um gol em cada clássico no mesmo ano foi o zagueiro Yerri Mina, em 2016.

Com 7 gols marcados no Campeonato Paulista, Borja é o atual artilheiro da competição. Se ele mantiver a ponta dos goleadores até o fim do campeonato, o colombiano pode entrar para história do futebol paulista ao se tornar o primeiro jogador estrangeiro da era profissional a ser artilheiro do campeonato estadual mais importante do país.

Exceto pelos primeiros tempos do futebol paulista na década de 10, onde atletas de origem inglesa e alemã acabaram na artilharia geral da competição, nunca um jogador de origem sul-americana terminou como artilheiro do Paulistão.

Herbert Boyes (inglês do São Paulo Atlhetic foi artilheiro em 1903, 1904 e 1910), Hermann Friese (alemão do Germânia foi artilheiro em 1905), Fuller (alemão do Germânia foi artilheiro em 1906), Whatley (britânico do Mackenzie College foi artilheiro em em 1913).

Desde então, nenhum outro estrangeiro terminou na artilharia máxima do torneio.

Decisão fora de campo

Mal acabou uma decisão dentro de campo, o Verdão já terá outra importante batalha nos tribunais. O Tribunal de Justiça Desportiva (TJD-SP) confirmou para a próxima segunda, dia 2 de abril, o novo julgamento do goleiro palmeirense Jailson, no Pleno.

Punido no primeiro julgamento com três partidas de gancho, pela expulsão e por declaração dada após o clássico contra o Corinthians, na primeira fase da competição estadual, Jailson ainda tinha um jogo a cumprir, mas foi liberado na fase semifinal graças a efeito suspensivo.

Títulos no Palestra

Ao longo de mais de cem anos, tanto Palmeiras quanto Corinthians já conquistaram inúmeros títulos estaduais no estádio Palestra Itália, palco da partida decisiva que definirá o Campeão Paulista de 2018.

Os alvinegros foram campeões paulistas no estádio palestrino nos anos de 1914 (primeira conquista futebolística de sua história), 1916 e 1929. Além de celebrarem uma conquista de Torneio Início do Campeonato Paulista em 1936.

Já os palestrinos, comemoraram em sua casa os títulos paulistas de 1926, 1933, 1936, 1976, 1996 e 2008. Os palmeirenses também celebraram em seus domínios os troféus da Taça Libertadores de 1999, da Copa Sul-Americana Mercosul em 1998, do Torneio Rio-São Paulo em 1933, dos Campeonatos Paulistas Extras de 1926 e 1938, do Torneio Início do Campeonato Paulista de 1927, 1939 e 1969, da Copa do Brasil de 2015 e do Brasileiro de 2016.

Apenas por duas vezes em toda a história, palmeirenses e corintianos fizeram o jogo de volta de uma decisão de qualquer competição na casa alviverde.

O Campeonato Paulista de 1936 foi a primeira decisão entre palestrinos e corintianos em confrontos eliminatórios no estádio Palestra Itália. Na ocasião, o Verdão venceu por 2 a 1, gols marcados por Moacyr e Luzinho Mesquita, e ficou com a taça.

Em 1938 foi a segunda decisão entre os maiores rivais realizada na casa palestrina. Valendo pelo Campeonato Paulista Extra, novamente o alviverde venceu por 2 a 1, gols marcados por Barrilotti e Rolando, e conquistou mais uma competição sobre os alvinegros.

Números do Derby

Com o triunfo em Itaquera, o Palmeiras abriu uma margem de quatro vitórias sobre o seu maior rival em toda a história dos confrontos diretos entre as equipes. Em 366 jogos, são 130 vitórias palestrinas, 110 empates e 126 vitórias dos alvinegros.

Os números do trabalho apresentado pela Sociedade Esportiva Palmeiras englobam todas as competições disputadas entre as equipes, inclusive o Torneio Início do Campeonato Paulista, respeitando e preservando a história puramente factual, frio, sem análises, interpretações personalistas, critérios próprios ou julgamentos.

borja

FORZA VERDÃO!!!

 

Padrão
Esportes

Mística Palestrina

Negro. Sociedade Esportiva Palmeiras. Decisão. Pacaembu. Lotação máxima. Número 42. Combinações perfeitas e que se renovam na história alviverde, como uma espécie de misticismo protetor das tradições esmeraldinas.

Em 20 de setembro de 1942, Og Moreira, meio campista, negro, capitão palestrino, no estádio municipal lotado, parava o craque Lêonidas da Silva e conduzia o Verdão a mais um título paulista, superando o São Paulo Futebol Clube na partida final.

Após quase 76 anos, um negro, na mesma cancha do Pacaembu, abarrotada com mais de 36 mil almas, vestindo a camisa 42 às costas conduziu o Palmeiras a mais uma decisão estadual, na noite chuvosa de terça-feira, 27 de março de 2018.

O goleiro Jailson voou como uma pantera no canto direito de sua meta e defendeu a cobrança de penalidade máxima do jovem atacante santista Diogo Vitor, na decisão por pênaltis, que deu a vitória aos palmeirenses pelo placar de 5 a 4, na partida de volta das semifinais do Paulistão, diante do Santos Futebol Clube.

Foi vendo Og Moreira jogar que surgiu a frase do nosso hino “Defesa que ninguém passa”, escrita por Antônio Sergi. Foi vendo Jailson jogar que todos nós palmeirenses reafirmamos essa estrofe como uma verdade absoluta!

Og Moreira é o Jailson do passado. Jailson é o Og Moreira do presente. Negros. Palestrinos. Decisivos. Predestinados. Ídolos. Amados pelos palmeirenses. Espíritos vencedores. Capazes de produzir as lágrimas alegres de toda uma nação. Trovadores de versos mágicos através do jogo de bola. Anjos guardiões de nossa fé inabalável e de nossos sonhos mais felizes.

Abençoada seja a gente palestrina em contar em suas fileiras com Og Moreira. Abençoada seja a gente palmeirense em contar em suas fileiras com Jailson.

VIVA JAILSÃO DA MASSA!
VIVA OG MOREIRA!
VIVA A SOCIEDADE ESPORTIVA PALMEIRAS!

Rumo à Rússia

Certamente, nas vésperas da convocação final para a Copa do Mundo de 2018, Jailson garantiu o seu passaporte para a Rússia. O goleiro palestrino inegavelmente tem sido um dos maiores nomes da posição no Brasil e merece estar na maior competição de seleções.

Abre o olho, Tite. O Jailsão tem estrela!

Tabus Quebrados

Após quase três anos, o Verdão está de volta a uma final de Campeonato Paulista. Nos últimos dois anos, o Palmeiras havia sido eliminado na fase semifinal do torneio, pelo próprio Santos em 2016 e pela Ponte Preta em 2017.

Os palmeirenses aguardam o seu adversário na grande decisão que sai do encontro entre São Paulo Futebol Clube e Sport Club Corinthians Paulista, que acontece nessa quarta-feira (28), em Itaquera.

Para alcançar essa condição de finalista, o alviverde, além de vencer os santistas, precisou superar alguns tabus e traumas.

Desde 1999,  O Verdão não vencia o Peixe na fase semifinal do estadual. De lá para cá, foram três encontros entre as equipes nessa fase, todas com vitórias alvinegras em 2000, 2009 e 2016.

No estádio do Pacaembu, o Verdão não havia tendo um retrospecto positivo recentemente nos confrontos eliminatórios, por qualquer competição. Apesar das vitórias contra o Novorizontino pelas quartas de final do Paulista em 2017, e das classificações na Copa do Brasil diante de Vilhena, Sampaio Correa e Avaí, todas em 2014, o time palmeirense acumulou algumas eliminações traumáticas para o seu torcedor no local, tais quais:

2010 – Palmeiras 1×2 Goiás – Copa Sul-Americana (Semifinais)
2011 – Palmeiras (5) 1×1 (6) Corinthians – Campeonato Paulista (Semifinais)
2011 – Palmeiras 2×0 Coritiba – Copa do Brasil (Quartas de Finais)
2011 – Palmeiras 3×1 Vasco da Gama – Copa Sul-Americana (Primeira Fase)
2013 – Palmeiras 1×2 Tijuana – Copa Libertadores da América (Oitavas de Finais)
2014 – Palmeiras 0x1 Ituano – Campeonato Paulista (Semifinais)

A vitória diante dos santistas exorciza alguns fantasmas que teimavam a circundar a vida palestrina.

Finais de Paulista

Em toda a história do Campeonato Paulista, a Sociedade Esportiva Palmeiras chega a sua décima segunda decisão de título, excetuando as competições em cárater de pontos corridos para definição do campeão do torneio.

Em finais, o Verdão conquistou seis títulos estaduais e por cinco vezes ficou com o vice-campeonato. Dos possíveis finalistas, o Palmeiras fez apenas uma decisão contra o São Paulo, em 1992, e foi derrotado pelos tricolores. Diante dos corintianos, foram cinco finais, com três vitórias alviverdes contra duas dos alvinegros.

Detentor da melhor campanha da competição, essa será a terceira vez em toda a história do torneio que o Palmeiras disputa a partida final da competição no estádio Palestra Itália. Nas duas vezes anteriores em que isso aconteceu, nos anos de 1936 e 2008, o Verdão sagrou-se campeão paulista.

Essa é a terceira final de Campeonato Paulista que o Verdão disputa no Século XXI. Em 2008, o Verdão sagrou-se campeão e em 2015 obteve o vice-campeonato.

Confira todas as finais do Palmeiras no Paulistão:

1920 – Palestra Itália 2×1 Paulistano – (campeão)
1936 – Palestra Itália 2×1 Corinthians – (campeão)
1959 – Palmeiras 2×1 Santos – (campeão)
1974 – Palmeiras 1×0 Corinthians – (campeão)
1986 – Palmeiras 1×2 Internacional de Limeira – (vice-campeão)
1992 – Palmeiras 1×2 São Paulo – (vice-campeão)
1993 – Palmeiras 4×0 Corinthians – (campeão)
1995 – Palmeiras 1×2 Corinthians – (vice-campeão)
1999 – Palmeiras 2×2 Corinthians – (vice-campeão)
2008 – Palmeiras 5×0 Ponte Preta – (campeão)
2015 – Palmeiras 1×2 Santos – (vice-campeão)

jailson-PALMEIRAS

FORZA VERDÃO!!!

Padrão
Esportes

Primeiro Passo

O Verdão saiu na frente na luta por uma vaga na final do Campeonato Paulista ao vencer o Santos pelo placar de 1 a 0, gol de Willian, na tarde de sábado (24), no estádio do Pacaembu, pela partida de ida da semifinal do estadual.

O resultado dá a possibilidade ao alviverde de jogar pelo empate na partida de volta, na próxima terça-feira (27), no mesmo estádio municipal, com torcida única apenas dos palmeirenses, que prometem lotação máxima para apoiar o Verdão rumo a mais uma decisão.

O destaque do jogo fica por conta da excelente atuação do goleiro Jailson, mais um vez. O arqueiro palestrino teve uma atuação perfeita, com defesas capitais e garantiu o placar em branco pelos lados santistas. Esse é o quinto jogo consecutivo que a defesa alviverde não sofre gols.

Outro ponto que merece menção foi a jogada que originou o gol palestrino, onde a bola circulou de pé em pé entre todos os atacantes do Verdão, numa troca de passes perfeita e envolvente que terminou com a finalização de Willian para as redes.

Esse equilíbrio defensivo e ofensivo que faz do Palmeiras a melhor defesa e o melhor ataque da competição é mérito do técnico Roger Machado e sua comissão técnica, que vem realizando um trabalho muito bom em pouco mais de três meses no clube.

Ao fim da partida, o desgaste físico dos palestrinos foi evidente. O time acabou a partida no seu limite. Duas substituições (Bruno Henrique e Felipe Melo) foram ocasionadas em função disso. Se pudesse trocar mais seis atletas, certamente o comandante palestrino usaria desse expediente.

As possíveis lesões dos laterais Marcos Rocha e Victor Luis para o jogo de volta, serão ausências sentidas, ainda mais pela forma como o Santos costuma atuar, com jogadores leves e rápidos pelos lados do campo. Na esquerda há a possibilidade da estreia de Diogo Barbosa. Já pelo lado direito, Tchê Tchê deve ficar com a vaga, casos os dois titulares das posições não reúnam condições de jogo.

O alviverde tem um retrospecto positivo atuando no Pacaembu. Os palestrinos não perdem no local desde 24 de março de 2016, quando foi superado pelo Red Bull Brasil, por 2 a 1, pelo Campeonato Paulista. De lá para cá, foram nove jogos, com oito vitórias esmeraldinas e um empate.

Em clássicos realizados no campo da municipalidade, o último revés aconteceu justamente para o Santos, pelo placar de 3 a 1, em 19 de outubro de 2014, em jogo válido pelo Campeonato Brasileiro. Desde então, foram realizadas quatro partidas no local, com três vitórias palestrinas e um empate.

Do atual elenco do Palmeiras, são os maiores goleadores nos clássicos contra os três grandes paulistas os seguintes atletas:  Dudu (7), Willian (4), Borja (2), Moisés (2) e Antônio Carlos (2).

jailson.jpg

FORZA VERDÃO!!!

 

 

 

Padrão