Esportes

Palmeiras e o VAR (II)

A história recente do Palmeiras com o árbitro assistente de vídeo (VAR – Video Assistant Referee) já se constitui como uma das páginas efervescentes no futebol brasileiro.  O alviverde é um dos clubes brasileiros que mais batalhou pela introdução oficial dessa nova tecnologia nas competições. Entretanto, são os palestrinos que tem protagonizado os principais episódios desse novo método.

Confira uma breve cronologia do VAR na vida esportiva palmeirense:

Palmeiras x Corinthians – Campeonato Paulista 2018

O Palmeiras divulgou no dia 10 de abril um vídeo que comprova “de maneira inequívoca e irrefutável” que houve interferência externa na final do estadual contra o maior rival, no estádio Palestra Italia, dois dias antes.

Segundo o clube, pelas imagens feitas com câmeras de segurança uma pessoa que seria da FPF (Federação Paulista de Futebol), o diretor de arbitragem Dionísio Roberto Domingos, se aproxima de um dos bandeiras da partida para passar um recado.

De acordo ainda com o Palmeiras, as imagens mostram que houve violação das normas internacionais e do CBJD (Código Brasileiro de Justiça Desportiva). Pelas regras, ninguém pode se comunicar com os membros da arbitragem.

Recentemente, em 2019, um caso parecido envolvendo as equipes de Ponte Preta e Aparecidense, em jogo válido pela Copa do Brasil, foi anulado pelo STJD, que determinou a realização de uma nova partida. O caso palmeirense foi arquivado.

Essa foi a primeira vez que o VAR (mesmo que extraoficialmente) foi utilizado no futebol brasileiro. Um ano depois, o recurso foi oficializado pela Federação Paulista de Futebol na fase final do Campeonato Paulista A-1.

Palmeiras x Bahia – Copa do Brasil 2018

Em 2 de agosto de 2018 o VAR virou uma realidade no futebol brasileiro. Depois de Anderson Daronco marcar pênalti de Gregore em Artur, em lance da partida entre Bahia e Palmeiras, e expulsar o volante do Bahia, o árbitro voltou atrás na marcação e anulou o cartão vermelho.

Foi a primeira vez na história da Copa do Brasil que o VAR ajudou o árbitro a alterar uma decisão tomada no campo.

Depois de seis minutos de análise e discussão do lance com Leandro Vuaden, escalado como árbitro de vídeo, Daronco substituiu a advertência para amarelo.

Minutos depois, o VAR entrou em ação mais uma vez após cotovelada de Deyverson em Mena. Daronco pediu calma aos jogadores para ouvir o que o árbitro de vídeo tinha a dizer e, na sequência, deu cartão vermelho ao atacante do Palmeiras, que deixou o campo chorando.

Palmeiras x Cruzeiro – Copa do Brasil 2018

Em 12 de setembro de 2018 o Palmeiras fez reclamações em relação à derrota por 1 a 0 para o Cruzeiro pelo duelo de ida das semifinais da Copa do Brasil no estádio Palestra Italia. Tudo por um gol anulado já aos 52 minutos do segundo tempo.

No lance, Fábio saiu mal do gol e dividiu a bola com o cruzeirense Léo e com o palmeirense Edu Dracena. O juiz Wagner Reway marcou falta, mas, enquanto apitava, viu Antônio Carlos chutar para o gol vazio e empatar a partida. O Palmeiras pediu que o árbitro revisse o lance pelo VAR, mas ele mandou a partida continuar.

Palmeiras x Boca Juniors – Copa Libertadores da América 2018

Em 31 de outubro a atuação do árbitro de vídeo roubou a cena no primeiro tempo do jogo entre Palmeiras e Boca Juniors, na arena do Verdão, pelas semifinais da Libertadores. Com o recurso, o árbitro colombiano Wilmar Roldán anulou um gol de Bruno Henrique no início do jogo, por impedimento de Deyverson.

A reclamação contra o árbitro Wilmar Roldán foi toda no primeiro tempo. Já nos acréscimos, os jogadores do Palmeiras reclamaram a não marcação de um pênalti num lance em que a bola teria batido na mão de Pablo Pérez. Roldán não chegou a parar o jogo para ver o replay do lance na tela do VAR ao lado do gramado.

Palmeiras x Novorizontino – Campeonato Paulista 2019

No dia 23 de março  na partida contra o Novorizontino, pelas quartas de final do Campeonato Paulista, o Palmeiras mostrou descontentamento pelo gol do time do interior paulista não ter sido anulado com o VAR. No início da jogada, a bola bateu na mão de Murilo Henrique, mas a equipe de arbitragem confirmou o lance, mesmo após análise no vídeo.

O jogo foi o primeiro da história do Campeonato Paulista com o uso oficial do árbitro de vídeo. Thiago Duarte Peixoto foi o juiz responsável pelo VAR, e depois de confirmar o gol do Novorizontino, ainda marcou um pênalti para a equipe do interior, por toque de mão de Antônio Carlos dentro da área. Fernando Prass fez a defesa na cobrança de Murilo Henrique.

Palmeiras x São Paulo – Campeonato Paulista 2019

No dia 30 de março, em jogo válido pela semifinal da competição, no estádio do Morumbi, aos 37 minutos do primeiro tempo, Dudu recebeu passe de Bruno Henrique e foi derrubado na área.

O árbitro Vinicius Furlan assinalou pênalti de Reinaldo no lance, mas voltou atrás e desmarcou a infração após consultar o VAR, comandado por Raphael Claus, auxiliado por Emerson de Carvalho e Flávio de Souza.

Palmeiras x Botafogo-RJ – Campeonato Brasileiro 2019

No dia 25 de maio, em jogo válido pelo primeiro turno da competição nacional, no estádio Mané Garrincha, em Brasília, Distrito Federal, aos 12 minutos do segundo tempo, o árbitro Paulo Roberto Alves Junior marcou pênalti de Gabriel sobre Deyverson, após consulta ao VAR. Na cobrança, o zagueiro Gustavo Gomez converteu.

Palmeiras x Atlético-PR – Campeonato Brasileiro 2019

O jogo entre Palmeiras e Atlético-PR, no dia 8 de junho, no estádio Palestra Italia, teve uma expulsão revista pelo árbitro de vídeo. Aos 37 minutos do primeiro tempo, o árbitro de campo, Rodrigo D’Alonso Ferreira, mostrou cartão vermelho direto para o meia Nikão, do Atlético, por conta de uma entrada no goleiro Weverton, do Palmeiras. Mas a expulsão foi anulada, após consulta ao VAR.

Palmeiras x Ceará – Campeonato Brasileiro 2019

Em 20 de julho, em jogo válido pelo primeiro turno da competição nacional, no estádio Castelão, em Fortaleza, aos 24 minutos de jogo, o time alviverde teve um pênalti marcado pelo árbitro Rodrigo D´Alonso. No entanto, o VAR chamou o juiz para checagem, e a decisão foi anulada.

Palmeiras x Vasco da Gama-RJ – Campeonato Brasileiro 2019

Em 27 de julho, em jogo válido pelo primeiro turno da competição nacional, no estádio Palestra Italia, aos 10 minutos do primeiro tempo, após tiro de canto, o goleiro Fernando Miguel afastou pelo alto e, no rebote, Arthur Cabral arriscou chute. A bola bateu no braço do zagueiro Leandro Castan.

No primeiro momento, o árbitro Ricardo Marques Ribeiro nada marcou, mas, ao consultar o VAR, optou por assinalar o pênalti. Na cobrança, Gustavo Scarpa não deu chances para o goleiro vascaíno e igualou o marcador.

Palmeiras x Godoy Cruz-ARG – Copa Libertadores da América 2019

Em 30 de julho, no estádio Palestra Italia, aos 11 minutos, o árbitro colombiano Wilmar Roldán marcou pênalti para o Palmeiras com o auxílio do VAR pelo fato de o zagueiro argentino ter tocado na bola com o braço. Raphael Veiga foi para a cobrança e não desperdiçou, batendo forte, no cantinho, para abrir o placar.

Palmeiras x Bahia – Campeonato Brasileiro 2019

Em 11 de agosto, no estádio Palestra Italia, o árbitro Igor Junio Benevenuto de Oliveira utilizou o VAR duas vezes para marcação de duas penalidades máximas contra o Palmeiras.

Aos 2 minutos. Arthur Caike desviou a bola de cabeça e Diogo Barbosa fez um toque de mão dentro da área. O VAR checou e, após longos minutos de indecisão, o árbitro Benevutto confirmou a penalidade. Gilberto foi para a bola e empatou a partida.

Aos 33 minutos, o VAR foi acionado de novo para conferir uma possível falta de Luan em Arthur Kayke. E, novamente, após longos minutos de indecisão e demora, Benevutto confirmou a penalidade. Gilberto foi novamente para a bola e voltou a empatar o duelo.

Palmeiras x Flamengo-RJ – Campeonato Brasileiro 2019

Em 1 de setembro, no estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro, logo no começo da partida, Matheus Fernandes chegou a marcar para o Palmeiras, mas o árbitro Rafael Traci, orientado pelo VAR, assinalou impedimento de Willian.

Nos acréscimos da primeira etapa, após cobrança de falta, Vitor Hugo cabeceou e, no rebote, Willian mandou para as redes. O assistente, porém, marcou impedimento, confirmado pelo VAR.

Palmeiras x Goiás – Campeonato Brasileiro 2019

Em 7 de setembro, no estádio Serra Dourada, em Goiânia, aos 42 minutos do primeiro tempo, Luiz Adriano recebeu de Dudu dentro da área e, no rebote, fez o gol. A arbitragem de Wagner Reway, porém, anulou e marcou falta de ataque.

Palmeiras x Internacional-RS – Campeonato Brasileiro 2019

No dia 29 de setembro, no estádio Beira-Rio, em Porto Alegre, o árbitro de vídeo anula gol do Verdão aos 40 minutos, Bruno Henrique empurra para o fundo da rede, só que o lance foi analisado pelo VAR, que marcou mão de Willian. O árbitro Braulio da Silva Machado anulou a jogada.

bandeira2

 

 

Anúncios
Padrão
Esportes

Palmeiras e o VAR

A história recente do Palmeiras com o árbitro assistente de vídeo (VAR – Video Assistant Referee) já se constitui como uma das páginas efervescentes no futebol brasileiro.  O alviverde é um dos clubes brasileiros que mais batalhou pela introdução oficial dessa nova tecnologia nas competições. Entretanto, são os palestrinos que tem protagonizado os principais episódios desse novo método.

Confira uma breve cronologia do VAR na vida esportiva palmeirense:

Palmeiras x Corinthians – Campeonato Paulista 2018

O Palmeiras divulgou no dia 10 de abril um vídeo que comprova “de maneira inequívoca e irrefutável” que houve interferência externa na final do estadual contra o maior rival, no estádio Palestra Italia, dois dias antes.

Segundo o clube, pelas imagens feitas com câmeras de segurança uma pessoa que seria da FPF (Federação Paulista de Futebol), o diretor de arbitragem Dionísio Roberto Domingos, se aproxima de um dos bandeiras da partida para passar um recado.

De acordo ainda com o Palmeiras, as imagens mostram que houve violação das normas internacionais e do CBJD (Código Brasileiro de Justiça Desportiva). Pelas regras, ninguém pode se comunicar com os membros da arbitragem.

Recentemente, em 2019, um caso parecido envolvendo as equipes de Ponte Preta e Aparecidense, em jogo válido pela Copa do Brasil, foi anulado pelo STJD, que determinou a realização de uma nova partida. O caso palmeirense foi arquivado.

Essa foi a primeira vez que o VAR (mesmo que extraoficialmente) foi utilizado no futebol brasileiro. Um ano depois, o recurso foi oficializado pela Federação Paulista de Futebol na fase final do Campeonato Paulista A-1.

Palmeiras x Bahia – Copa do Brasil 2018

Em 2 de agosto de 2018 o VAR virou uma realidade no futebol brasileiro. Depois de Anderson Daronco marcar pênalti de Gregore em Artur, em lance da partida entre Bahia e Palmeiras, e expulsar o volante do Bahia, o árbitro voltou atrás na marcação e anulou o cartão vermelho.

Foi a primeira vez na história da Copa do Brasil que o VAR ajudou o árbitro a alterar uma decisão tomada no campo.

Depois de seis minutos de análise e discussão do lance com Leandro Vuaden, escalado como árbitro de vídeo, Daronco substituiu a advertência para amarelo.

Minutos depois, o VAR entrou em ação mais uma vez após cotovelada de Deyverson em Mena. Daronco pediu calma aos jogadores para ouvir o que o árbitro de vídeo tinha a dizer e, na sequência, deu cartão vermelho ao atacante do Palmeiras, que deixou o campo chorando.

Palmeiras x Cruzeiro – Copa do Brasil 2018

Em 12 de setembro de 2018 o Palmeiras fez reclamações em relação à derrota por 1 a 0 para o Cruzeiro pelo duelo de ida das semifinais da Copa do Brasil no estádio Palestra Italia. Tudo por um gol anulado já aos 52 minutos do segundo tempo.

No lance, Fábio saiu mal do gol e dividiu a bola com o cruzeirense Léo e com o palmeirense Edu Dracena. O juiz Wagner Reway marcou falta, mas, enquanto apitava, viu Antônio Carlos chutar para o gol vazio e empatar a partida. O Palmeiras pediu que o árbitro revisse o lance pelo VAR, mas ele mandou a partida continuar.

Palmeiras x Boca Juniors – Copa Libertadores da América 2018

Em 31 de outubro a atuação do árbitro de vídeo roubou a cena no primeiro tempo do jogo entre Palmeiras e Boca Juniors, na arena do Verdão, pelas semifinais da Libertadores. Com o recurso, o árbitro colombiano Wilmar Roldán anulou um gol de Bruno Henrique no início do jogo, por impedimento de Deyverson.

A reclamação contra o árbitro Wilmar Roldán foi toda no primeiro tempo. Já nos acréscimos, os jogadores do Palmeiras reclamaram a não marcação de um pênalti num lance em que a bola teria batido na mão de Pablo Pérez. Roldán não chegou a parar o jogo para ver o replay do lance na tela do VAR ao lado do gramado.

Palmeiras x Novorizontino – Campeonato Paulista 2019

No dia 23 de março  na partida contra o Novorizontino, pelas quartas de final do Campeonato Paulista, o Palmeiras mostrou descontentamento pelo gol do time do interior paulista não ter sido anulado com o VAR. No início da jogada, a bola bateu na mão de Murilo Henrique, mas a equipe de arbitragem confirmou o lance, mesmo após análise no vídeo.

O jogo foi o primeiro da história do Campeonato Paulista com o uso oficial do árbitro de vídeo. Thiago Duarte Peixoto foi o juiz responsável pelo VAR, e depois de confirmar o gol do Novorizontino, ainda marcou um pênalti para a equipe do interior, por toque de mão de Antônio Carlos dentro da área. Fernando Prass fez a defesa na cobrança de Murilo Henrique.

simbolo-original

FORZA VERDÃO!!!

Padrão
Esportes

Sete juízes em campo

O dia 19 de julho de 1936 entrou para a história do futebol paulista, como sendo a primeira vez que sete juízes atuaram na condução de uma competição oficial na capital paulista.

O fato inédito e pitoresco aconteceu no Torneio Início do Campeonato Paulista da Associação Paulista de Esportes Atléticos (APEA), no extinto campo da A.A.São Bento, na Ponte Grande, Zona Norte da cidade de São Paulo.

Os juízes eram assim distribuídos: um árbitro central, 2 juizes de meta e 4 juizes de linha, um em cada metade do gramado e em lados opostos.

A razão de haver o número exagerado de árbitros, deu-se pelo fato do número reduzido de equipes que disputaram o torneio, frustrando a expectativa dos organizadores, que se programaram para um grande evento.

Cinco clubes apenas apresentaram-se ao torneio, no qual foi disputado o bronze “Helle Nice”, ofertado pelo consul da França, sr. De Martin, o qual deu o pontapé inicial da partida final. Foram eles: São Caetano, Ypiranga, Portuguesa de Desportos, Ordem e Progresso e Humberto Primo.

Era um período de cisão entre as entidades organizadoras no futebol paulista. A APEA organizou dois Campeonatos Paulistas com a ausência das grandes equipes, como o Palmeiras, Santos e Corinthians, São Paulo, em 1935 e 1936, que disputavam um Paulistão pela Liga Paulista de Futebol que era apoiada pela CBD (Confederação Brasileira de Desportos). A APEA não resistiu e fechou, sendo sucedida pela concorrente Liga de Futebol do Estado de São Paulo.

Na decisão da competição, o modesto Esporte Clube Humberto Primo (atual Esporte Clube Vila Mariana) sagrou-se campeão ao vencer a favorita e tradicional Portuguesa de Desportos, por 2 a 1, sob o comando do árbitro central Heitor Marcelino Domingues, ex-jogador e maior artilheiro da história do Palestra Itália (Palmeiras).

O troféu existe até hoje e está preservado na sede social do Esporte Clube Vila Mariana (atual denominação do Esporte Clube Humberto Primo, que teve que mudar seu nome devido a Segunda Guerra Mundial), localizado na Rua Domingos de Morais 1.768.

Ficha técnica da partida final:

Humberto Primo 2×1 Portuguesa de Desportos
Campo: A.A.São Bento (Ponte Grande)
Gols: Omar, Chemp (HUM); Duilio (POR)
Humberto: Roberto, Ernesto, Rebizzi, Barolo, Meudo, Isaias, Pedrinho, Omar, Dempsey, Chemp, Figurado.
Portuguesa: Rodrigues, Fiorotti, Oswaldo, Manduco, Duilio, Barros, Frederico, Carioca, Arnaldo, Alberto, Emilio.

Confira as escalações das equipes participantes do torneio:

São Caetano: Figueira, Rossi, Martorelli, Reis, Mesquita, Bizueta, Marinotti,  Firmo, Anilu, Zeca, Lela

Portuguesa: Rodrigues, Fiorotti, Oswaldo, Manduco, Duilio, Barros, Frederico, Carioca, Arnaldo, Alberto, Emilio

Humberto I: Roberto, Ernesto, Rebizzi, Barolo, Meudo, Isaias, Pedrinho, Omar, Dempsey, Chemp, Figurado

Ordem e Progresso: Belmiro, Italiano, Orlando, Marcello, Lagreca, Gino, Nene, Mariano, Juca, Waldomiro, Arnoldo

Ypiranga: Tuffy, Rovay, Archangelo, Pepe, Americo, Raphael, Figueiredo II, Avelino, Murza, Jorginho,  Figueiredo I.

untitled

 

Padrão