Esportes

Sair na frente

Muitas são as avaliações e opiniões para entender uma derrota em um clássico. São evocados todos os tipos de argumentos, dos mais racionais, aos mais passionais. Todos com suas motivações e que merecem reflexão, compreensão e respeito.

A tentativa da busca do diagnóstico correto para se curar uma incomôda ferida pode vir de diversas formas para que se encontre esse caminho, a fim de estancar a dor que nos consome a alma.

Parto do princípio que em clássicos, principalmente, quem sai na frente do placar tem a grande chance de ser o vencedor, ou pelo menos, não sai derrotado. E não importa se joga como visitante ou mandante, se tem elenco superior ou inferior, se está num bom ou mau momento, se o salário está em dia ou atrasado, se o treino foi aberto ou fechado, se a estrutura do Centro de Treinamento é ótima ou péssima.

Quando a bola rola, quem marca primeiro tem vantagem. Isso é um fato que se impõe acima de posse de bola, chutes a gol, números de passes, escalação certa ou errada, jogador “A” ou “B”, arbitragem, ou qualquer outro atributo que por ventura seja imputado o fator da derrota ou da vitória.

Nos últimos 20 Derbys, a equipe que fez o primeiro gol no confronto não perdeu. A última virada num clássico aconteceu em 24 de junho de 2012, em partida válida pelo Campeonato Brasileiro, realizada no estádio do Pacaembu, pelo placar de 2 a 1. Na ocasião, o Palmeiras marcou um a zero no placar, aos três minutos da primeira etapa, gol marcado por Mazinho. Romarinho, aos 33 minutos do primeiro tempo e aos 10 minutos da etapa complementar, se encarregou de dar a vitória aos alvinegros.

Já a última virada palestrina no clássico contra os alvinegros ocorreu em 28 de agosto de 2011, em partida válida pelo Campeonato Brasileiro, realizada no estádio Prudentão, em Presidente Prudente, também pelo placar de 2 a 1. Emerson Sheik abriu o marcador aos 18 minutos da primeira etapa. Aos 34 minutos Luan empatou para o Verdão. O atacante Fernandão, aos sete minutos do segundo tempo, determinou a vitória alviverde.

Tanto nos recentes confrontos em Itaquera ou no Palestra Itália, quem saiu na frente do marcador não perdeu. Uma lógica que talvez a psicologia possa explicar melhor e trazer mais subsídios para o porquê disso.

Podemos ampliar essa hipótese para além dos clássicos e tentar analisar um recorte maior, se essa perspectiva também se aplica em todos os jogos e com maior frequência em quais circunstâncias. Enfim, lançar uma luz para que possamos compreender o jogo, muito além de achismos e do fígado. Toda manifestação que se debruce com objetivo de evoluir em busca das vitórias é válida.

De todo modo, o torcedor é passional. Está chateado por ver seu time ter um desempenho abaixo da crítica contra o seu principal rival. Não sou diferente. Nada apaga a dor de uma derrota. Apenas a esperança de vencê-lo no próximo encontro. Já aguardamos ansiosamente por isso. Pelo Brasileirão, o jogo do segundo turno, no Palestra Itália, ainda não tem data definida. Talvez podemos nos enfrentar pela Copa do Brasil ou Libertadores ainda.  Teremos muitos embates pela frente.

Perder o controle e criar terra arrasada não é o rumo mais inteligente para enfrentar os nossos problemas (os quais temos vários, dentro e fora de campo). Haver cobranças, detectar as falhas, trabalhar para que elas mudem devem ser circunstâncias naturais na vida de um grande clube como a Sociedade Esportiva Palmeiras.

Lembro um fato histórico, sem a pretensão alguma de qualquer tipo de comparação além dos resultados em si. Elencos e épocas completamente diferentes. Mas que vale a reflexão. A Academia de Futebol do Palmeiras entre 1971 a 1974 ficou 15 jogos consecutivos sem vencer o São Paulo Futebol Clube e de 1970  a 1973  ficou 10 partidas consecutivas sem vencer o Corinthians. Ao final, conquistamos títulos em cima de todos eles e essa geração ficou imortalizada na vida palestrina como uma das principais referências para todos nós alviverdes.

Ademir da Guia esteve presente em todas essas partidas (ou na maioria). Não foi taxado de pipoqueiro ou sem alma por causa disso, por exemplo. Pelo contrário. É reverenciado com toda a justiça e méritos como um ícone palestrino. Talvez o maior de todos.

Repito, para deixar bem claro e não haver distorções, longe de qualquer comparação. Tempos infinitamente distintos. Mas o radicalismo e intolerância não nos levarão a solucionar os nossos problemas, muito menos diminuir os obstáculos que ainda temos pela frente. E não são poucos!

As vitórias virão! Vamos com fé, palestrinos!

simbolo-original

FORZA VERDÃO!!!

Anúncios
Padrão

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s