Esportes

Juventus estreia na Copa Paulista de Futebol

O Moleque Travesso inicia a sua participação em mais uma edição da Copa Paulista de Futebol no sábado (18), diante do São José, às 16h, no estádio Martins Pereira em São José dos Campos.

Campeão em 2007, o time da Mooca disputa pela 15º vez essa tradicional competição. O primeiro jogo do Juventus no torneio foi em 9 de setembro de 2001, quando ainda se chamava Copa Coca-Cola, diante do Nacional da Capital. Na ocasião, o Juventus perdeu pelo placar de 1 a 0.

Foi justamente contra o Nacional, que o Juventus fez o jogo com o maior número de gols em sua história no torneio, em 6 de agosto de 2008, na Rua Comendador Souza. Vitória juventina pelo placar de 5 a 4.

Já a maior goleada grená no torneio aconteceu no dia 9 de julho de 2003, quando aplicou 6 a 1 diante do Xv de Jaú, na Rua Javari. A maior derrota do time juventino foi pelo placar de 6 a 0 para o Grêmio Barueri, no dia 7 de setembro de 2005, em Barueri.

Uma única vez o Moleque Travesso teve o artilheiro máximo da competição. Foi na edição de 2007, quando o atacante juventino Márcio anotou 13 gols.

Apenas três atletas do atual elenco juventino estão no clube desde 2012 e irão disputar a competição pela quarta temporada defendendo a camisa grená: Lucas Pavone, Rafael Branco e Renato Sorrisso.

O lateral-esquerdo Lucas Pavone (com 38 jogos e 7 gols pelo clube na competição) é o atleta do time atual que mais atuou e marcou gols no torneio, pelo Juventus.

O atacante Pedro Rocha, que hoje defende o Grêmio-RS e o lateral esquerdo Orinho, que acertou sua transferência para o Santos F.C., são algumas das recentes revelações juventinas nas duas últimas edições do torneio que hoje defendem as cores de clubes da Série A do futebol brasileiro.

Para a atual disputa, o time da Mooca manteve a base que conquistou o acesso para a Série A-2 do Campeonato Paulista no primeiro semestre desse ano e trouxe alguns reforços pontuais, com destaque para o atacante Luis Gueguel, que teve passagem pelo Palmeiras, em 2007.

A principal perda do elenco foi o atacante Gil, que não renovou o seu contrato.

O técnico Rodrigo Santana, nos jogos treinos e amistoso, utilizou a seguinte formação e deve repeti-la na estreia contra o São José: André Dias (G); Rafael Ferro, Diego Borges, Victor Sallinas, Lucas Pavone; Fellipe Nunes, Derli, Rafael Branco, Adiel; Diogo e Gueguel.

Eis um resumo estatístico do Juventus na Copa Paulista de Futebol de 2001 até a sua última partida em 2014:

Jogos: 235
Vitórias: 103
Empates: 63
Derrotas: 69
Gols Pró: 353
Gols Contra: 286

juve

 

Anúncios
Padrão
Esportes

Academia de Futsal

Os garotos das categorias de base do futsal da Sociedade Esportiva Palmeiras Palmeiras escreveram uma das páginas mais bonitas da história desse esporte no clube alviverde na tarde de sábado (10), no ginásio Presidente Ciro, no bairro da Penha, Zona Leste de São Paulo.

Em quatro finais disputadas pelo Campeonato Metropolitano sub-10, sub-14, sub-16 e sub-17, o Verdão sagrou-se campeão em todas, sendo três delas de maneira invicta (sub-14, 16 e 17)! Um feito histórico na vida palmeirense.

Desde 1977, quando a Federação Paulista de Futebol de Salão passou a organizar o Campeonato Metropolitano das categorias menores com cinco divisões por faixas etárias (fraldinha, pré-mirim, mirim, infantil e infanto-juvenil), o Verdão jamais havia conquistado mais que dois títulos do torneio num mesmo ano, chegando nas mesmas quatro finais.

Além das conquistas coletivas, alguns pontos merecem destaques  na campanha vitoriosa:

– Três categorias tiveram o maior número de gols marcados ( sub-10, com 83 gols, sub-16, com 80 gols, e o sub-17, com 108 gols)

– Duas categorias terminaram com o artilheiro máximo da competição ( sub-16 – Rafael Elias da Silva “Papagaio”, com 30 gols, e sub-17 – Gabriel Victor Mancini, com 19 gols)

– A categoria Fraldinha (sub-10) não vencia um título de Campeão Metropolitano desde 1997.

– A categoria Mirim (sub-14) não vencia um título de Campeão Metropolitano desde 1989.

– A categoria Infantil  (sub-16) não conquistava um bi-campeonato metropolitano consecutivo desde o tri em 1978, 1979 e 80.

– A categoria Infanto-Juvenil (sub-17) não vencia um título de Campeão Metropolitano desde 1986.

Os palmeirenses que estiverem presentes e lotaram o ginásio da Federação Paulista de Futebol de São Paulo puderam se orgulhar e vibrar com os garotos palestrinos, que honraram com maestria a camisa do seu querido clube.

Para animar ainda mais a eufórica torcida alviverde, o Verdão fez a  “dobradinha” sobre o rival Corinthians, vencendo o rival na decisão nas categorias sub-14 (com direito a gol do título restando 3 segundos para o fim do jogo) e sub-17 (com um baile de bola, tendo aberto uma vantagem de 6 a 0 sobre os alvinegros até os 10 minutos do segundo tempo).

Resultados das decisões do Metropolitano:
Sub-10: Palmeiras 4 x 2 G.R. Barueri
Sub-14: Palmeiras 3 x 3 Corinthians
Sub-16: Palmeiras 8 x 3 C.A. Taboão da Serra
Sub-17: Palmeiras 7 x 4 Corinthians

Campanhas dos campeões:
Sub-10: 16 jogos, 13 vitórias, 2 empates, 1 derrota, 83 gols pró e 22 gols contra
Sub-14: 16 jogos, 13 vitórias, 3 empates, 0 derrotas, 66 gols pró e 30 gols contra
Sub-16: 16 jogos, 14 vitórias, 2 empates, 0 derrotas, 80 gols pró e 22 gols contra
Sub-17: 16 jogos, 14 vitórias, 2 empates, 0 derrotas, 108 gols pró e 24 gols contra

Artilheiros do Palmeiras no Campeonato Metropolitano por categorias:

Sub-10

FÁBIO MONDONI DE FREITAS – 20 gols (3 artilheiro da competição)
JOÃO GABRIEL E COSTA CESCO – 15 gols
GABRIEL SILVA DE HOLANDO – 12 gols
VICTOR HUGO MOURA VIEIRA – 9 gols
LEANDRO ROBERTO PARMIGIANI IAMAMOTO – 9 gols
MATHEUS DE AVELAR PETTINATI – 6 gols
GABRIEL DOS SANTOS DA SILVA – 4 gols
SAMUEL HENRIQUE SILVA SANTOS – 3 gols
BRENO MARTINS ZANETTI DA SILVA – 2 gols
GUILHERME SANTOS DO CARMO – 1 gol

Sub-14

CAIQUE BARBOSA RODRIGUES – 16 gols marcados (vice-artilheiro da competição)
GABRIEL AKIO VIEIRA ONOHARA – 10 gols
BRUNO TATAVITTO – 9 gols
VICTOR PIRES DOS SANTOS – 8 gols
JOÃO VICTOR DE BARROS FREIRE – 6 gols
THIAGO YUDI VIEIRA ONOHARA – 4 gols
MATHEUS SOARES NASCIMENTO – 4 gols
GUILHERME CALDAS SOUSA – 3 gols
LUCAS EDUARDO ALVES DA SILVA – 2 gols
JOÃO PAULO SIQUEIRA RIBEIRO – 2 gols
MATHEUS PIRES MACHADO – 1 gol
VINICIUS DA SILVA OLIVEIRA QUEIROZ – 1 gol

Sub-16

RAFAEL ELIAS DA SILVA – 30 gols (artilheiro da competição)
VICTOR GUIMARÃES FALCETTA – 11 gols
ALISSON NEVES DE LIMA – 11 gols
LUCAS FREITAS ROMÃO DA SILVA – 7 gols
MATHEUS DE MELLO FARIA – 6 gols
GABRIEL RODRIGUES RIZZI – 4 gols
RAFAEL GONÇALVES SOARES RIBEIRO – 4 gols
DAIVISON DE FREITAS ALVES – 2 gols
FERNANDO MOARES PILEGGI – 2 gols
RENAN DE JESUS FERRAZ DA SILVA – 1 gol
VICTOR BARTHOLOMEU ANDRADE DE SOUZA – 1 gol
GABRIEL HENRIQUE DE OLIVEIRA RIBEIRO – 1 gol

Sub-17

GABRIEL VICTOR MANCINI – 19 gols (artilheiro da competição)
FERNANDO RODRIGUES DE SOUZA – 18 gols
MARLON DA SILVA LUCIANO – 15 gols
GILBERT JOHN MARQUES ESTEVAM – 11 gols
MATHEUS DOS REIS SOUZA – 10 gols
BRENO DE ALMEIDA VAZ – 9 gols
MATHEUS ROXO BRITO DA SILVA – 9 gols
CAIQUE DA SILVA – 8 gols
LUIS GUSTAVO PEIXOTO THOMAZ – 4 gols
GUILHERME TEIXEIRA MIRABELLI – 3 gols
GUILHERME PEREIRA DA SILVA – 2 gols

Parabéns a todos os envolvidos e apoiadores do futsal da Sociedade Esportiva Palmeiras! MUITO OBRIGADO!

Membros das Comissões Técnicas (VITOR HUGO ESTEVO VALVASSORI, FERNANDA GRANDE DE SOUZA, JULIANA CRISTINA MORITA, FLAVIO DINIZ THOMAZ, EDUARDO PEREIRA SILVA, EDUARDO MENDES PEREIRA, VALDIR DE FREITAS, NELSON CARNAES NETO, MOACIR FATTINGER, CHIMBINHA)

Diretores (Gilson Marques da Silva, Enrique Tadeu Jussio Guillen, Karam Feres Karam Junior e Mauricio Gubbini)

A Academia de Futsal do Palestra está de volta!

VIVA O PALMEIRAS! VIVA O SUPERCAMPEÃO DO FUTSAL PAULISTA!

Que esse seja o ponto de retomada para uma nova fase gloriosa na vida do nosso querido Palmeiras no esporte da bola pesada, o qual ostenta o título de Campeão do Século XX!

Que venha o bi-campeonato! FORZA PALESTRA!

periquito

Padrão
Esportes

Chama que se apaga

A Sociedade Esportiva Palmeiras – por meio de uma nota oficial fria e lacônica – divulgou o fim das atividades do basquete adulto masculino na noite de segunda-feira, dia 29 de junho.

Com a tristeza e decepção que me consome por tal atitude, poderia usar esse espaço para extravassar toda a minha ira a respeito dos atuais gestores do clube alviverde, que também foram os responsáveis pela extinção do futsal adulto masculino do clube em junho de 2013. Mas isso não o farei. Prefiro relatar de outro modo essa data inglória na vida palestrina.

O Palmeiras atual se afasta das suas raízes. Os comandantes resumem o sentimento da instituição em números exatos e métodos contábeis. Tratam com desamor e desdém tudo aquilo que não compreendem. São ocos, opacos e dissimulados. Matam na essência a vocação esportiva do clube.

Eu vi, participei, chorei e vibrei “in loco” com o Palmeiras Campeão em mais de 20 modalidades esportivas, graças ao legado abençoado que os nossos antepassados palestrinos nos deixaram de forma idealista e abnegada ao longo desses mais de cem anos.

João Gaveta – o eterno torcedor símbolo do Palmeiras – nos deixou inúmeras lições. Na sua simplicidade e maluquice, ele projetava o seu amor ao Verdão muito além do futebol. Essa era uma particuliridade dos velhos palestrinos. Um orgulho que os outros rivais “Futebol Clube” invejavam.

Entretanto, essa chama se apaga a cada dia! Reflito: O que essa geração que nos comanda deixará para os futuros palestrinos se orgulharem?  O que fazem para manter a nossa tradição altiva? Como serão lembrados? Como aqueles que destruíram nosso orgulho e tradições?

Falar o que sinto nesse momento não adianta. É irreversível. Prefiro ficar com a poesia de Fernando Pessoa para entender o momento, que diz: “O Homem é do tamanho do seu sonho.”

À todos que um dia envergaram a camisa palestrina nas quadras brasileiras, minha sincera homenagem e profunda gratidão. Em especial às famílias: Paolillo, Albano, De Lorenzo, Hyppolito, Marrano, Caviglia, Del Favero, Malzoni, Gambini, Massa, Biagioni, Capodaglio, Butrico, Facchina, Ranieri, Langanke, Narcisi, Stefani, Carone, Cappucci, Barrichello, Setrini, Casanova e Faria. MUITO OBRIGADO!

Graças ao personalismo e abnegação dessas famílias, o basquete no Palmeiras existiu por mais de 90 anos impávido e fogoso.

Agora, tudo é apenas lembrança. Recordação. Memória. Saudades!

Ao invés de lamentar, exaltarei alguns feitos que nos fez ter orgulho do Palmeiras também com a bola nas mãos.

Nasce um sonho

O departamento de “bola ao cesto” da S.E. Palmeiras foi fundado em 1923, pelos associados Nicolino Spina e Estevam J. Stratta, os quais foram grandes pioneiros e mentores no desenvolvimento deste esporte, não apenas no seio do clube, mas em todo o país no início dos anos 20.

Stratta e Spina, junto com os irmãos Paolillo e Horacio “Baby” Barioni, todos jovens jogadores do Palestra, saiam pelo interior do Brasil ensinando as regras do esporte das cestas e “riscando” a giz as quadras para a prática da modalidade.

A quadra mais famosa a ser “riscada” foi a da cidade de Franca, em 14 de setembro de 1940. Daquele dia em diante, Franca passou a ser uma meca do basquete e é reconhecida como a capital da modalidade em território brasileiro.

Barioni, por sua  vez, ao fim de sua carreira de jogador idealizou os Jogos Abertos do Interior, competição que existe até hoje.

Palestra é Brasil

Em 1934 a equipe principal de basquete masculino do Palmeiras representa o Brasil no campeonato sul-americano de seleções de basquete disputado em Buenos Aires, na Argentina, onde obteve a honrosa terceira colocação.

Em 1935 o Verdão tornou a representar a seleção brasileira no sul-americano de seleções disputado no Rio de Janeiro.

Em 1959 o quinteto alviverde representa a seleção brasileira pela terceira vez no Torneio de Montevideo, no Uruguai.

NENHUM OUTRO CLUBE NO MUNDO CONSEGUIU SUPERAR TAL FEITO! TÃO POUCO QUALQUER OUTRA MODALIDADE!

Futebol e Basquete sempre unidos

Futebol e basquete no Palestra sempre caminharam juntos. Heitor Marcelino Domingues (maior artilheiro do Verdão em toda história) e o goleiro Nascimento jogavam no time do futebol e integravam a equipe de basquete ao mesmo tempo, no final dos anos 20.

Oscar Paolillo e Renato Paolillo, atletas da equipe de  basquete, atuaram pela equipe de futebol do segundo quadro do Palestra Itália em 1925.

Em 1945, o jogador Índio, que atuou como goleiro na equipe de futebol, também defendeu o basquete palmeirense no mesmo período.

Nos anos 70, o Palmeiras cedeu o zagueiro Baldochi para o rival Corinthians. Em troca, o então presidente alviverde, Paschoal Walter Byron Giuliano, pediu como compensação para o clube alvinegro a cessão do ala-pivo Zé Geraldo para reforçar as fileiras do basquete esmeraldino, no que foi atendido  pelo presidente alvinegro Vicente Matheus.

A expressão “É Com o Pé, É com a mão, o Palestra é Campeão!”, nasceu nos anos 30 como um grito de guerra da torcida palestrina que se orgulha da força de seu clube nos gramados e nas quadras.

Basquete Feminino

Em 1935 o Palestra Itália foi o primeiro clube da capital paulista a formar uma equipe de basquete feminino junto com o Espéria e ser o incentivador do primeiro campeonato paulista da categoria.

Centenário do Real Madrid

O livro oficial lançado no centenário do clube espanhol Real Madrid destaca a força do basquete palmeirense nos anos 70. O Verdão foi o primeiro clube das Américas a fazer 100 pontos nos madrilenhos em seus domínios, no Torneio de Navidad em 1975.

Essa foi a única citação esportiva sobre o Palmeiras em todo o livro do Real Madrid. Não há nenhuma menção sobre os confrontos entre os clubes no futebol.

Tipo exportação

O primeiro clube brasileiro a ter um atleta norte-americano no basquete foi o Palmeiras. Trata-se da dupla Curtis MacArthur e Earl Hill em 1973. O Verdão foi perseguido pelos rivais com diversas ações jurídicas, pois não concordavam com a presença dos atletas em quadra.

O Palmeiras venceu todos os preconceitos, intolerâncias e perseguições e conseguiu exercer o direito de trabalho desses atletas na justiça. Após isso, todos os clubes passaram a ter norte-americanos em suas equipes.

Em 1975 o Palmeiras é o primeiro clube do Brasil a terum técnico norte-americano: Bill Kuklas.

Mais de quarenta anos depois, o armador Leandrinho Barbosa, defendendo o Golden State Warriors em 2015, foi o primeiro campeão da NBA (Liga Norte-Americana) formado pela Sociedade Esportiva Palmeiras da história!

Vencendo o Apartheid

O Palmeiras realiza excursão para  África em 1959. Delegação palestrina é vitima de preconceito racial no auge do Apartheid. Atleta alviverde Valter de Souza, negro, é impedido de viajar com a equipe palmeirense por autoridades africanas que não liberam o seu visto.

Mesmo com esse constrangimento, os palmeirenses superam esses atos hostis e elevam o nome do Brasil em solo estrangeiro vencendo todos os jogos e torneios que disputou.

Patrocínio

A primeira modalidade esportiva do Palmeiras a ter um patrocínio na camisa foi o basquete, em 1982, em acordo com a empresa italiana FIAT.

Escudo

A primeira vez que o atual escudo do Palmeiras foi confeccionado em um uniforme foi justamente nos trajes da equipe de basquete palmeirense, em 1957.

O atual escudo só foi usado pela equipe de futebol dois anos depois, em 1959.

Globetroters

A famosa equipe de exibição norte-americana do Harlem Globetroters enfrentou o Palmeiras em duas ocasiões, em 1956 e 1957.

Em 1978 os americanos voltaram ao Brasil e fizeram um jogo-exibição no ginásio do Palestra Itália no intervalo do jogo entre Palmeiras e Monte Líbano, pelo Campeonato Paulista.

Campeões mundiais que defenderam o Palmeiras

– Wlamir Marques

– Edson Bispo

– Rosa Branca

– Jathyr

– Victor Mirshauswka

– Ubiratan

– Amaury Passos

– Mosquito

– Togo Renan Soares (Kanela) – Treinador

Medalhistas Palmeirenses (todas de bronze)

– 1960 Jogos Olímpicos de Roma: Rosa Branca, Edson Bispo dos Santos, Carlos Domingos Massoni e Jatyr Eduardo Schall

– 1964 Jogos Olímpicos de Tóquio: Jatyr Eduardo Schall, Edson Bispo dos Santos e Victor Mirshauswka

basquete_anos70basquete_2012 (19)basquete 1958

periquito

VIVA ETERNAMENTE O GLORIOSO BASQUETE DA SOCIEDADE ESPORTIVA PALMEIRAS!

É COM O PÉ, É COM A MÃO, O PALESTRA É O CAZZO DO CAMPEÃO!!!!

Padrão